uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Caça furtiva pode alastrar às áreas protegidas

Associação de Guardas e Vigilantes da Natureza critica lei em preparação

A nova lei da caça está a ser contestada pela Associação de Guardas e Vigilantes da Natureza. A transferência de competências em matéria de fiscalização, diz aquela organização, pode fazer alastrar a caça furtiva às áreas protegidas.

Edição de 14.04.2004 | Sociedade
A Associação Portuguesa de Guardas e Vigilantes da Natureza (APGVN), com sede em Coruche, teme que as áreas protegidas se transformem em zonas de caça furtiva. Em causa está, segundo o presidente da associação, José Alberto Carvalho, a nova lei da caça em elaboração. Esta prevê a transferência da fiscalização de caçadores nas zonas de reserva natural para a polícia florestal. No entender de José Alberto Carvalho, a polícia florestal, que depende da Direcção Geral das Florestas não está preparada nem sensibilizada para as questões relativas às zonas protegidas. E diz que com este esvaziamento de competências os guardas e vigilantes na natureza, dependentes do ICN (Instituto de Conservação da Natureza) passam a ser meros guias turísticos. Na região existem quatro zonas protegidas: O Sítio Classificado da Agolada e Monte da Barca (Coruche), o Parque Natural das Serras D’Aire e Candeeiros, parte do Estuário do Tejo (que vai de Lisboa a Vila Franca de Xira) e Reserva do Paúl do Boquilobo (Golegã), no total com uma área superior a 100 mil hectares. “Nestas áreas, tal como nas áreas protegidas a nível nacional, que representam 9 por cento do território, caso a lei seja aprovada, vai deixar de haver protecção e isso é um convite à caça furtiva”, disse o dirigente associativo e vigilante do Sítio Classificado da Agolada e Monte da Barca. José Alberto Carvalho explicou que o corpo de polícia florestal é constituído por 250 elementos, que já não chega para a área que lhe está destinada, muito menos para assegurarem a fiscalização das áreas protegidas. Os vigilantes da natureza são 150 a nível nacional.“Com esta lei se virmos alguém a caçar numa reserva natural não podemos fazer nada e, enquanto alertamos a polícia florestal, os prevaricadores têm tempo de fugir”, assegurou. Para aquele vigilante, para além da falta de meios da polícia florestal, há que ter ainda em conta o facto desta força estar mais vocacionada para as questões relacionadas com as zonas venatórias, não dispondo de formação nem sensibilidade para as espécies protegidas. O presidente da APGVN disse ainda não compreender que o Estado autorize a existência de zonas de caça turística e associativa em território classificado como zona protegida. O que não acontece noutros países. “Como podemos proteger o lince ou outra espécie, se a alguns metros andam pessoas aos tiros?”, questionou. O corpo de guardas e vigilantes da natureza foi criado no início dos anos 80. A sua tarefa mais comum passa pela patrulha e fiscalização das actividades dentro do território das áreas protegidas. Desempenham ainda funções de protecção do património faunístico, florístico, arquitectónico e cultural, sensibilização e conservação do ambiente, colaboração em acções de educação ambiental, sensibilização e acolhimento e informação dos visitantes.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...