uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Unidade de saúde “modelo” a meio gás

Queixas de falta de administrativos e enfermeiros

Falta de enfermeiros e administrativos levaram à suspensão de alguns serviços da Unidade de Santa Maria do Centro de Saúde de Tomar. Os médicos acusam a directora de boicote e fizeram chegar o seu descontentamento ao coordenador da sub-região de saúde de Santarém. Fernando Afoito garante que até segunda-feira tudo estará normalizado.

Edição de 14.04.2004 | Sociedade
A falta de pessoal administrativo, agravada pela inexistência de telefonista e recepcionista e carências de enfermeiros levou o corpo médico da Unidade de Santa Maria do Centro de Saúde de Tomar a suspender alguns serviços que colocavam a unidade no segundo lugar nacional em termos de qualidade de atendimento.Por ser necessário garantir prioridades, desde quarta-feira que não há atendimento nem marcações por telefone, a entrega de receitas e credenciais passa a fazer-se apenas à quinta-feira e estão suspensas as inscrições para médico de família.A equipa da Unidade de Santa Maria acusa a directora do Centro de Saúde de fazer ouvidos de mercador às suas reivindicações, que datam já de Março. “Temos contado com uma total ausência de resposta por parte da directora às dificuldades apresentadas”.De acordo com os clínicos, a falta de resposta de Manuela Norte está associada a uma postura de oposição ao novo projecto implementado naquela unidade. Ao nosso jornal, a directora escusou-se a pronunciar-se sobre as medidas agora adoptadas, referindo no entanto que a unidade tem seis elementos administrativos, tantos quanto pressupunha o projecto.Sem apoio de Manuela Norte, os médicos deram a conhecer o constrangimento existentes na Unidade de Santa Maria ao coordenador da sub-região de Saúde de Santarém, que de imediato agendou uma reunião com a directora do Centro de Saúde de Tomar.Em declarações a O MIRANTE, Fernando Afoito garantiu que o problema da falta de recursos humanos ficará solucionado “no máximo até segunda-feira”, com a entrada de mais um administrativo e o aumento de horas na enfermagem. O coordenador referiu que não vai haver prejuízos para os utentes.Assim que for concretizada a entrada de mais recursos humanos será levantada a suspensão das medidas restritivas do funcionamento da unidade. Recorde-se que esta unidade foi referenciada como modelo na última edição da revista Teste Saúde, da Associação de Defesa do Consumidor, ficando em segundo lugar no ranking de 70 centros de saúde a nível nacional.A Unidade de Saúde de Santa Maria funciona num regime remuneratório especial, ao abrigo de uma lei de 1998 para experiências organizativas nos centros de saúde. Tem alguma autonomia organizativa, na base de um projecto aprovado pela Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, em Outubro de 2003, apesar do parecer negativo de Manuela Norte.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...