uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Empreiteiros assumem prejuízos

Câmara revoga proibição de circulação de veículos pesados em estradas do concelho

O consórcio Bento Pedroso/Somague vai assumir os encargos resultantes da danificação das estradas do concelho de Tomar, no âmbito da requalificação ferroviária da Linha do Norte.

Edição de 21.04.2004 | Sociedade
A REFER – Rede Ferroviária Nacional garantiu à Câmara Municipal de Tomar que os empreiteiros contratados para as obras de requalificação da Linha do Norte – o consórcio Bento Pedroso/Somague - têm protocolado, no caderno de encargos, que os prejuízos terceiros são da sua responsabilidade e vão assumir os encargos com os danos provocados nas estradas do concelho.A informação da REFER foi dada à autarquia, na quinta-feira, um dia antes da reunião agendada com os responsáveis das obras em curso no concelho de Tomar, o consórcio Bento Pedroso/Somague.O presidente da câmara, António Paiva (PSD), levou o responsável pela Linha do Norte a visitar várias localidades contíguas à linha, provando in loco os estragos provocados pela passagem sistemática de camiões carregados de material.“Podemos constatar em Vila Nova, por exemplo, que parte da estrada estava rota e o asfalto nem sequer estava ainda oxidado, sendo possível provar que foi em consequência das obras que se realizaram no fim de semana anterior que a via ficou danificada”, referiu ao nosso jornal o presidente do município.De acordo com António Paiva, o director da Linha do Norte percebeu que não era possível imputar a outros camiões que passassem, eventualmente, na zona aquilo que era óbvio - isto é, os danos causados nas estradas devido à sobrecarga resultante dos camiões que operavam na obra.A REFER assumiu o seu papel de dono da obra e solicitou aos empreiteiros que cumprissem o caderno de encargos. As responsabilidades inerentes à execução da obra foram de facto assumidas pelo consórcio Bento Pedroso/Somague, na reunião que manteve com o presidente do município, realizada sexta-feira.De acordo com António Paiva, ficou decidido na reunião que o engenheiro do consórcio e os engenheiros da câmara vão agora fazer um levantamento das estradas e zonas que estão danificadas. Desse estudo conjunto, sairá um relatório indicando quais as obras de reparação que há a fazer, a que se seguirá um acordo entre a Câmara de Tomar e o consórcio construtor, que irá ser aprovado na próxima reunião do executivo, a mesma que revogará a deliberação tomada na reunião de 5 deste mês.Recorde-se que, na altura, o executivo camarário aprovou a colocação de sinalética vertical em estradas municipais de cinco freguesias do concelho, proibindo a circulação de camiões com peso superior a 12 toneladas nas referidas vias, inviabilizando assim a continuação de várias obras respeitantes à requalificação da Linha do Norte.A Câmara de Tomar admite que terá de suportar alguns dos custos resultantes da danificação das estradas, dado o facto de algumas delas terem abatido devido a fundações deficientes. “Sabemos que também temos algumas responsabilidades e é exactamente para averiguarmos isso que irá ser feito o levantamento dos danos e o que os originou”.Até à apresentação do estudo, que irá à próxima reunião camarária, a 3 de Maio, o município compromete-se a não colocar qualquer dos sinais de proibição de circulação a veículos de peso superior a 12 toneladas, sinais que já adquiriu.Margarida Cabeleira

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...