uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Alhandra exige transparência nas contas do museu

Alhandra exige transparência nas contas do museu

Ninguém controla os donativos dos fiéis de Sousa Martins

O presidente da Junta de Freguesia de Alhandra confirmou que as contas do Museu Sousa Martins não foram aprovadas pela comissão consultiva e pelas autarquias. Jorge Ferreira anunciou que a direcção do museu tem utilizado o número de contribuinte da junta sem que os documentos entrem na contabilidade da autarquia. A assembleia de freguesia exige transparência.

Edição de 28.04.2004 | Sociedade
As contas da Casa Museu Sousa Martins de Alhandra não foram aprovadas, controladas ou fiscalizadas pela comissão consultiva e pelos órgãos autárquicos. Nos últimos 19 anos, o director, Júlio Graça limitou-se a enviar os relatórios finais à Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, entidade responsável pelo pagamento do pessoal e à Junta de Freguesia de Alhandra proprietária da casa e do seu espólio. A confirmação foi avançada pelo presidente da junta durante a assembleia de freguesia realizada na quinta-feira, 22 de Abril.Jorge Ferreira (PS) desmentiu assim o responsável pelo museu que em declarações a O MIRANTE garantiu que as contas, que recusou divulgar, tinham sido sempre aprovadas pela comissão consultiva e fiscalizadas pelos órgãos autárquicos.O presidente da junta chegou mesmo a dizer que o museu usava o número de contribuinte da junta. “Há facturas em nome do museu e outras em nome da junta, mas nunca vieram à junta”, disse. “O museu tem depósitos bancários, tem dinheiro e tem valores, queremos saber onde estão e em que nome é que estão”, acrescentou.Apesar de reconhecer a necessidade de dar maior transparência à gestão do museu, o autarca considerou que “as pessoas que lá estão fazem um bom trabalho e são sérias”.O advogado Nelson Tereso (PSD) alertou para o perigo de uma fiscalização da Inspecção Geral de Finanças vir a questionar a junta sobre esta prática do museu. “O museu não pode usar o número de contribuinte da junta. Espero que não venha cá uma inspecção”, disse.PJ e Ministério Público estão a investigarComo o MIRANTE noticiou na edição de 8 de Abril, a gestão do museu está a ser investigada pela Polícia Judiciária e pelo Ministério Público de Vila Franca de Xira. Depois das notícias publicadas por nós, na sequência de várias denúncias de alhandrenses, a presidente da câmara solicitou a investigação ao Ministério Público. Maria da Luz Rosinha (PS) considerada por Júlio Graça a sua “fada madrinha”, disse acreditar na seriedade e honestidade do escritor, mas insistiu em acabar com as suspeitasO Museu de Alhandra-Casa Dr. Sousa Martins está integrado na rede municipal de museus e recebeu centenas de milhar de euros de donativos de fiéis e valores patrimoniais que nunca foram tornados públicos e inventariados pela câmara e pela junta de freguesia, entidade oficialmente detentora do património do museu desde 1985. Só um devoto doou um cheque de cinco mil euros que na altura levantou suspeitas sobre a sua aplicação. Duas vezes por ano, em Março e Agosto, Alhandra recebe milhares de fiéis do médico santo que para pagarem promessas que fizeram em períodos difíceis deixam os seus donativos em caixas controladas pelo responsável do museu.Júlio Graça, o principal responsável pela gestão do museu, disse a O MIRANTE que aguardava com serenidade as investigações. O conservador admitiu deixar as funções que desempenha por estar cansado e com vontade de descansar. Júlio Graça tem 80 anos e é uma das personalidades mais marcantes da vida cultural de Alhandra tendo sido distinguido com várias condecorações, a última das quais a medalha de mérito cultural atribuída pelo ministro da Cultura.Alhandrenses exigem explicaçõesA alegada falta de transparência das contas da Casa Museu Sousa Martins mexe com as gentes de Alhandra e a população exige o apuramento de responsabilidades. “Os políticos partidários viraram as costas ao museu e nunca se preocuparam com a sua gestão, agora que alguém despoletou a situação todos querem colher louros e mostrar que são muito sérios”, disse Jorge Cavaco. Raul Pedro, antigo presidente da junta, referiu que é à câmara que preside à comissão consultiva e tem o dever de convocar as reuniões e procurar a solução para a casa museu. Emílio Coraz, outro ex-autarca assumiu responsabilidades políticas neste processo porque foi eleito na junta e não conseguiu resolver o problema do museu. “As contas devem ser mais claras. Não basta ser sério, é preciso parecer”, concluiu.Domingos Soares, o homem que denunciou publicamente a falta de transparência na gestão esteve na última assembleia, mas acabou por sair antes do período de intervenção do público.Nelson Silva Lopes
Alhandra exige transparência nas contas do museu

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...