uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Valeu o voto de qualidade

Assembleia municipal do Entroncamento aprova contas
Edição de 05.05.2004 | Sociedade
O relatório e as contas da Câmara Municipal do Entroncamento referentes a 2003 passaram na assembleia municipal, realizada na sexta-feira, com o voto de qualidade do presidente do órgão Mora Leitão (PSD), depois de se ter registado um empate entre votos a favor e contra. Os social-democratas e o vogal independente votaram a favor. Os representantes do PS, CDU, BE e PP votaram contra. Desta votação a maior surpresa veio de Paula Aparício (PP) que, habitualmente, aprova as propostas do partido maioritário, o PSD. No entanto, o CDS-PP ficou “perplexo” por ter sido realizado “apenas 16,5 por cento do investimento orçamentado”. E, após esta primeira apreciação, Paula Aparício analisou o investimento em várias rubricas comparando-o com o “valor de aquisição do ostentoso automóvel do senhor presidente da câmara”. A capacidade de endividamento “está esgotada” e a dívida total “ascende a oito milhões de euros, mais de um milhão de euros” do que em 2002. Perante esta análise a eleita do CDS/PP só encontra duas explicações: “Ou existe falta de capacidade por parte da câmara, ou prepara-se para a parte final do mandato ser preenchida com obras com claros objectivos eleitoralistas, o que não nos parece sério”.O PS, que na câmara municipal optou por se abster, decidiu-se pelo voto contra na assembleia. Discordou do “endividamento excessivo”, do aumento da dívida a “fornecedores e demais credores”, do “agravamento em 23% na dívida do município” e, principalmente, por se estar perante “uma das piores execuções, senão mesmo a pior da última década”.A CDU e o BE mantiveram as críticas feitas pelos vereadores das mesmas forças políticas. O aumento da dívida e a fraca execução do plano de actividades foram os principais pontos das respectivas declaração de voto.Quanto ao eleito do movimento independente, a intervenção foi algo crítica, mas acabou por votar favoravelmente com “algumas reservas”. Para o PSD, o “documento espelha o culminar de uma etapa que já está ultrapassada – houve que fazer trabalho de planeamento/projecto, para implantar novas dinâmicas”.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...