uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Só falta ganhar um

Santarém Basket ganhou os primeiros dois jogos da final da Liga Feminina

O Santarém Basket tem três jogos para vencer uma vez e sagrar-se campeão de basquetebol feminino. A equipa venceu os dois primeiros jogos e vai agora ao Barreiro tentar a terceira e decisiva vitória.

Edição de 12.05.2004 | Desporto
A equipa sénior feminina do Santarém Basket está a uma vitória de se sagrar campeã nacional de basquetebol feminino. A formação escalabitana venceu os primeiros dois jogos da final da Liga Feminina, frente ao Grupo Desportivo da Escola Secundária de Santo André (GDESSA), e poderá confirmar a conquista do troféu já este sábado, no terceiro jogo, que se realiza no Barreiro.A Liga Feminina é decidida à melhor de cinco partidas, ou seja, quem vencer três jogos sagra-se campeã. Assim, mesmo que perca no sábado, o Santarém Basket terá nova oportunidade no domingo, também no Barreiro, e se o GDESSA vencer esses dois jogos, a quinta partida realiza-se em Santarém.O primeiro jogo da final realizou-se no sábado. A equipa ribatejana venceu por dois escassos pontos, numa partida sempre emotiva e que só ficou decidida nos últimos segundos. Foi aquilo a que se pode mesmo chamar um jogo impróprio para cardíacos.Apesar do nervosismo de ambas as equipas e do Santarém Basket ter marcado primeiro, o GDESSA entrou melhor no jogo e no final do primeiro período estava a vencer por cinco pontos (16-11).Mas a formação treinada por Mariana Koustorkova, desta vez com José Monteiro, que nos últimos anos treinou a equipa, a seu lado, reagiu bem e entrou no segundo período com um parcial de 10-0, colocando o marcador em 21-16. Sónia Reis, que entretanto havia substituído Susan Forreid, deu outra consistência ao jogo ofensivo da equipa escalabitana que, ao intervalo, já ganhava por 9 pontos (37-28).O terceiro período começou novamente com um parcial positivo para o Santarém Basket, que chegou a estar a ganhar por 16 pontos (44-28). A equipa pareceu então descansar um pouco e permitiu a aproximação do GDESSA, que reduziu a diferença para 47-40, apenas sete pontos de diferença, mantendo o jogo em aberto.Os últimos dez minutos de jogo foram, verdadeiramente, emocionantes. Em desvantagem no marcador, as jogadoras do Barreiro foram obrigadas a cometer faltas, mas Sofia Ramalho, que realizou um grande jogo, esteve impecável da linha de lance livre.Susana Soares, Joana Fogaça e Cecília Shinn, jogadoras que nas últimas épocas jogaram em Santarém e que agora estão no GDESSA, atingiram cedo as quatro faltas, obrigando o treinador visitante a muitas alterações.Mesmo assim, as forasteiras mantiveram-se sempre na disputa da partida e, à entrada do último minuto, o resultado estava em 62-59, apenas 3 pontos de diferença. A 30 segundos, a vantagem das ribatejanas era de apenas 1 ponto e a oito segundos do fim a partida estava empatada.A decisão do jogo ficou então nas mãos Samantha Woosnam, que sofreu falta e foi para a linha de lance livre. A australiana que joga pelo Santarém Basket não tremeu e converteu os dois lances livres, estabelecendo o resultado final em 68-66, dois escassos pontos de diferença. As visitantes ainda tentaram a igualdade nos oito segundos restantes, mas não conseguiram.O segundo jogo, realizado no domingo, foi mais fácil para a equipa ribatejana, que ainda assim passou por alguns sustos. O Santarém Basket entrou melhor e no final do primeiro período já liderava por 7 pontos (16-9). Os segundos dez minutos não foram diferentes e, ao intervalo, a equipa escalabitana vencia por 34-26 (8 pontos).Mas desta feita o intervalo foi benéfico para a equipa do Barreiro, que fez um terceiro período de grande nível e chegou a ter o jogo empatado (46-46) a 40 segundos do final desse parcial. Sofia Ramalho, mais uma vez bem da linha de lance livre, estabeleceu a diferença em dois pontos à entrada para os últimos dez minutos (48-46).Na fase decisiva, apesar de alguns erros da dupla de arbitragem, que denotou uma familiaridade excessiva com as jogadoras do Barreiro, o Santarém Basket pareceu melhor fisicamente, apesar de ter jogado quase sempre com o mesmo cinco base. A primeira e única substituição foi a entrada de Susan Forreid para o lugar de Dasa Tuckova, a sete minutos do fim.Aos poucos, ponto a ponto, a equipa ribatejana foi ampliando a vantagem, terminando com 9 pontos a seu favor (64-55), colocando-se a vencer por 2-0 e tendo agora três jogos para vencer uma vez.Entre as ribatejanas, Sofia Ramalho mostrou porque é considerada uma das melhores jogadoras portuguesas. Comandou todo o jogo ofensivo da equipa e esteve impecável na linha de lance livre. As postes Dasa Tuckova e Samantha Woosnam também estiveram bem em ambas as tabelas, com a segunda a denotar uma capacidade física notável, o que de resto se estendeu a toda a equipa. Mais discreta que o habitual esteve Joana Ribeiro, que mesmo assim realizou dois bons jogos. Sónia Reis entrou muito bem no primeiro jogo e fez uma boa segunda partida, mostrando que está cada vez mais forte na luta das tabelas. Kikas e Susana não comprometeram enquanto estiveram em campo.Treinadora do Santarém Basket satisfeita com prestação da equipa“A pressão agora está do lado delas”Depois de várias épocas e vários títulos conquistados como jogadora no Santarém Basket, Mariana Koustorkova está muito perto de conseguir o seu primeiro título como treinadora da equipa sénior.No final dos dois jogos com o GDESSA, Mariana, habitualmente muito comedida, não disfarçava a alegria e a confiança que sentia. “Estamos em condições de ir lá ganhar o terceiro jogo. Agora a pressão está do lado delas”, referiu à nossa reportagem, acrescentando no entanto que “nada está ganho”.A técnica da formação ribatejana não quis destacar nenhuma jogadora elogiando antes a atitude colectiva da equipa. “Todas jogaram bem e defendemos muito bem. Quando se joga como uma equipa fica mais fácil ganhar”.Sobre o facto de nos dois dias ter feito apenas três substituições, Mariana Koustorkova diz que as jogadoras que estavam em campo estiveram bem e que por isso não havia necessidade de mexer.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...