uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
O “pai” da freguesia da Meia Via

O “pai” da freguesia da Meia Via

José Gil Serôdio (PS), um presidente polémico
Edição de 19.05.2004 | O poder local aqui tão perto
A cumprir o seu primeiro mandato, José Gil Serôdio, 55 anos, é o primeiro presidente da freguesia da Meia Via, criada em Abril de 2001. Sem papas na língua, o autarca, tido como o “pai” da freguesia, não poupa críticas à Câmara de Torres Novas e chega mesmo a afirmar que a Meia Via “não precisa da câmara para nada, apenas precisa que ela cumpra os seus compromissos”.Ser o primeiro presidente de uma freguesia é mais trabalhoso do que José Gil poderia pensar: “Ando sempre aqui. Eu e a minha mulher somos comerciantes e já entregámos grande parte das nossas coisas aos filhos. Não tenho tempo para mais nada, construir uma freguesia dá muito trabalho”.O desabafo não envolve qualquer lamento, antes a verificação da realidade e o desafio para continuar. “Temos muita coisa para fazer. Para já fizemos o levantamento topográfico de toda a freguesia e fiquei a saber que com os esgotos da Charneca da Meia Via ando há dois anos enganado”.A história é simples, a Charneca é a única zona da Meia Via que não tem saneamento básico. No início do mandato foi-lhe prometido que a obra seria feita, depois chegou-se à conclusão que não havia desnível suficiente para os esgotos correrem por gravidade, o que obrigava à construção de uma estação elevatória. Isto porque a execução deste equipamento se tornaria demasiado dispendiosa e dela só iriam usufruir meia centena de casas. Convencido da situação, José Gil optou por pavimentar a estrada da Charneca, dado que o saneamento ficaria adiado por vários anos.No entanto, o levantamento topográfico encomendado pela junta a um técnico vem provar que a quota de desnível é suficiente. “Tomáramos nós que houvesse sempre este declive, disseram-me os técnicos. E basta olhar para as medições para vermos que é verdade”, desabafa o autarca.Também a construção de um parque infantil e jardim em frente ao edifício da escola do primeiro ciclo do ensino básico e pré-escolar é outro dos projectos adiados. Mas José Gil diz que esse vai por diante: “A junta vai fazê-lo”.Mais gratificante vai ser o alargamento dos Transportes Urbanos Torrejanos (TUT) à Meia Via e a Riachos: “Vão começar em Agosto e isso é de facto bom. Mas por deliberação unânime da Junta vamos também pedir à Câmara do Entroncamento que nos inclua no estudo que está a fazer sobre transportes urbanos a Meia Via”.A estreita ligação da Meia Via ao concelho vizinho do Entroncamento, com que faz extrema, é por vezes objecto de crítica. A oposição chega a afirmar que a intenção de José Gil é passar para o Entroncamento, mas a esta acusação o autarca responde: “Meia Via é Torres Novas e o Entroncamento já foi”.Do pouco tempo que lhe resta da azáfama diária de ser presidente, José Gil - benfiquista dos quatro costados, embora agora só veja no campo o Meiaviense – dedica-se aos pombos. “Não tenho muitos animais porque gosto de os conhecer um a um e se são muitos não sou capaz. Só tenho 24 pombos a correr”. Mesmo assim não é pouco, porque depois há as fêmeas, os borrachos, o controle dos acasalamentos e uma série de cuidados que este desporto obriga. “É a minha forma de descompressão, vou para junto dos pombos e fico bem”, conclui
O “pai” da freguesia da Meia Via

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...