uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Sofrer até ao último minuto

Sofrer até ao último minuto

União Desportiva de Chamusca venceu 2-1 o Vilarense e garantiu subida à primeira divisão

Na Chamusca era tempo de festa da Semana da Ascensão, mas isso não evitou que a bancada do Municipal se vestisse de amarelo, com centenas de adeptos preparados para ajudar o União a subir de divisão. A festa começou cedo mas depois foi preciso sofrer até ao último minuto, altura em que Paulo Costa marcou o golo da vitória. Uma década depois a União Desportiva de Chamusca está de volta ao escalão maior do futebol do distrito de Santarém.

Edição de 26.05.2004 | Desporto
Um golo de Paulo Costa, no último minuto dos descontos, permitiu à União de Chamusca vencer, no sábado, o Vilarense por 2-1 e garantir a subida à primeira distrital. A equipa de Vilar dos Prazeres trazia a lição bem estudada. O empate chegava-lhe para garantir a subida, e só pensou em defender até à exaustão, esquecendo-se que também era preciso atacar.Por sua vez a equipa do União tinha consciência de que só a vitória lhe servia, e por isso caiu em cima do seu adversário logo a partir do apito inicial do árbitro. Mas a excelente organização defensiva do Vilarense, a imperícia dos atacantes da Chamusca e alguma falta de sorte, foram adiando que se fizesse justiça, e a festa da subida.O União começou muito bem e logo aos 4 minutos, Paulo Costa esteve à beira de marcar. Aos 10 minutos, numa jogada de insistência pela direita, Tiago Silva cruzou para a área e ao segundo poste Marco Santos, encostou o pé na bola e enviou-a para o fundo da baliza do guarda-redes Virgílio. Foi a primeira grande explosão de alegria. Logo a seguir, Cuco, lançado por Tiago Silva, entrou na área e à saída do guarda-redes do Vilarense desviou bola do seu alcance mas ela saiu ligeiramente ao lado do poste esquerdo da sua baliza. Aos 20 minutos aconteceu um balde de água fria no entusiasmo dos chamusquenses. Num pontapé para a frente, a bola foi cair nos pés de Sousa, que ultrapassou o central Pê Jó, e dentro da área Palila, derrubou-o. Grande penalidade que Paulinho se encarregou de transformar no golo do empate.A equipa de Vilar dos Prazeres refinou ainda mais a sua toada defensiva. Na frente apenas ficava o “grandalhão” Jordão, e defendiam como podiam. Pedro Varino, treinador da Chamusca, não hesitou em colocar toda a “carne no assador”, abrindo ainda mais a frente de ataque da equipa chamusquense.O intervalo chegou com a partida empatada, e sem que o Vilarense tivesse criado uma única oportunidade de golo. A segunda parte pouco deferiu da primeira. Ataque continuado da Chamusca, defesa a todo o transe do Vilarense. Logo aos 52 minutos, Tiago Silva entrou na área rematou forte mas a bola saiu à figura de Virgílio, gorando-se mais uma excelente ocasião para o União marcar.Aos 53 minutos o Vilarense ficou reduzido a dez unidades. Rui foi expulso depois de agredir Pê Jó. Dois minutos depois o treinador do Vilarense, substituiu Jordão, o único avançado que tinha em campo, e fez entrar Lourenço, mais um jogador de características defensivas.No último minuto do tempo de compensação dado pelo árbitro, a bola foi cruzada para a área pelo ar, e foi cair à frente de Paulo Costa, que a deixou bater e quando ela saltitou meteu-lhe o pé por baixo e atirou uma “bomba” para o fundo da baliza de Virgílio. A alegria foi indescritível, e logo depois soou o apito final e houve invasão pacífica de campo, para festejar uma vitória que foi justíssima.É justo destacar a excelente arbitragem efectuada pelo jovem João Bento, que mostrou uma serenidade assinalável e contribuiu decisivamente para a correcção com que o jogo foi disputado. Não mereceu críticas de nenhum dos treinadores, e quando assim é a festa é ainda melhor porque não há qualquer dúvida em relação ao vencedor.Treinador da Chamusca desmente rumores da saída“Vou ficar”O treinador da Chamusca, Pedro Varino, era um homem feliz no final do jogo. Rouco quase que não se percebia a sua voz, afirmou logo à partida que é ponto assente que vai continuar a treinar a equipa e que catorze ou quinze jogadores do plantel vão continuar.“Valeu a pena sofrer até ao fim. Quero realçar o trabalho destes magníficos jogadores, que nunca regatearam esforços. A Chamusca hoje foi uma só, por isso quero dedicar esta vitória a todos os chamusquenses e à direcção que sempre me acompanhou, principalmente ao Fernando Milheiro, que tem sido um homem com H grande, e também aos jogadores que hoje ficaram de fora”, referiu Pedro Varino.Fernando Milheiro foi eleito, recentemente, presidente do União. Durante a época foi o responsável por todo o futebol do clube, e foi ele um dos principais obreiros desta subida, estava por isso muito satisfeito. “Atingimos o objectivo a que nos tínhamos proposto, subimos de divisão. Mas esta vitória é de toda o grupo de trabalho”. Também satisfeito com a elevada presença de adeptos, Fernando Milheiro garantiu que os adeptos já não estão divorciados do clube e no futuro vão apoiar ainda mais. Apoio que vai ser necessário para manter a equipa na primeira divisão distrital. “Estamos cientes das dificuldades. Não vamos entrar em loucuras, vamos trabalhar para reforçar a equipa, sem grandes aventuras, mas precisamos de mais gente para trabalhar dentro do clube”.O treinador do Vilarense, Carlos Nine, estava conformado com a derrota. “Caímos de pé. Vínhamos lutar pelo empate que nos chegava para subirmos, mas hoje tivemos alguns contratempos durante o jogo que nos limitaram. O União acabou por vencer bem, e acabou por ser um justo vencedor deste mini campeonato”.
Sofrer até ao último minuto

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...