uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Santarém pode acolher Ministério da Agricultura

Santarém pode acolher Ministério da Agricultura

Santana Lopes admite deslocar ministérios para outras zonas do país
Edição de 14.07.2004 | Economia
O presidente do PSD e futuro primeiro-ministro, Pedro Santana Lopes, admitiu domingo alterar o número de ministérios e secretarias de Estado do Governo que irá formar, e deslocar alguns de Lisboa para outras zonas do país. Entre os exemplos apontados ressalta a possibilidade do Ministério da Agricultura vir a ser instalado em Santarém.Em entrevista à SIC, o líder social-democrata questionou a razão de a Secretaria de Estado do Turismo estar em Lisboa, defendendo que deveria estar “por exemplo em Faro”. Santana Lopes também disse que o Ministério da Agricultura poderia ser transferido para Santarém, nomeadamente, e o da Economia para o Porto.A Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) reagiu a essa possibilidade na segunda-feira dizendo que a localização do Ministério da Agricultura é indiferente desde que os serviços funcionem bem.“A nossa preocupação é o bom funcionamento do Ministério da Agricultura”, disse à agência Lusa o secretário-geral da CAP, Luís Mira, que é também administrador delegado do Centro Nacional de Exposições, em Santarém.No entanto, Luís Mira lembrou que faltam menos de cinco meses para a entrada em vigor da Política Agrícola Comum (PAC), a 1 de Janeiro, o que vai implicar mudar “muita coisa”.“Se o Ministério está em Lisboa, Évora, Santarém ou Trás-os- Montes é indiferente, o problema está em se adaptar a uma nova política”, adiantou Luís Mira.O secretário-geral da CAP sublinhou que é fundamental uma reformulação dos serviços, “uma promessa feita pelo anterior Governo” liderado por Durão Barroso.Interesse e cepticismo na câmaraNa reunião do executivo municipal de segunda-feira, o presidente da Câmara de Santarém, Rui Barreiro (PS), considerou “interessante” a hipótese avançada por Santana Lopes e declarou-se disponível para integrar uma comissão que permita “passar das palavras aos actos”.O autarca lembrou que, na lógica da descentralização defendida pelo Governo cessante, a instalação do Ministério da Agricultura em Santarém foi já alvo de uma proposta apresentada pelos socialistas na Assembleia Municipal, aprovada por maioria (com os votos contra do PSD).Em nome da bancada social-democrata, Hélia Félix considerou a instalação do Ministério da Agricultura em Santarém uma medida de “grande alcance para o concelho e para toda a região”, desejando que ela represente “o início de uma nova era”, para que a capital do distrito “deixe de perder peso”.Para Luísa Mesquita (CDU), é “demasiado cedo” para comentar o assunto, lembrando que a hipótese foi avançada pela mesma pessoa que, enquanto presidente da câmara de Lisboa, em meia dúzia de meses, mudou várias vezes de opinião em relação ao Parque Mayer.“Que a descentralização aconteça primeiro nas políticas, porque infra-estruturas sem políticas não valem a pena”, disse a vereadora e deputada comunista, sublinhando não acreditar que a intenção anunciada se concretize.A vereadora socialista Idália Moniz lembrou o compromisso de Santana Lopes com as políticas de contenção do Governo de Durão Barroso, dando a entender que estava perplexa com os custos estimados com a mudança dos Ministérios do Terreiro do Paço para a Ajuda, da ordem dos 430 milhões de euros.O MIRANTE/Lusa
Santarém pode acolher Ministério da Agricultura

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...