uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Câmara não quer pagar prejuízos

Câmara não quer pagar prejuízos

Festa dos Tabuleiros resultou em 200 mil euros de dívidas

O presidente da Câmara de Tomar diz-se surpreendido com o prejuízo resultante da Festa dos Tabuleiros, que se realizou em Julho do ano passado. E mostra-se pouco receptivo a assumir custos com os quais não contava.

Edição de 14.07.2004 | Sociedade
A Câmara de Tomar não parece disposta a assumir os 200 mil euros de dívidas registadas pela organização da Festa dos Tabuleiros de 2003. Porque não tem esse valor orçamentado, porque tem outras prioridades e porque não está escrito em nenhum lado que deve ser a autarquia a assumir os prejuízos.O presidente do município, António Paiva (PSD), afirmou na reunião do executivo de segunda-feira que irá pedir uma reunião com o mordomo da festa, António Madureira, para, antes de mais nada, “perceber as contas”. Só depois estará em condições de decidir sobre o pagamento da dívida.“Fiquei surpreendido com o valor apresentado”, referiu António Paiva, adiantando que o orçamento camarário deste ano não tem nenhuma previsão para cobrir um défice de 200 mil euros.A ser a câmara a pagar a dívida, coisa para a qual o presidente não parece muito inclinado, a autarquia terá também de assumir uma posição mais firme sobre as próximas festas, para evitar que a autarquia volte a ser surpreendida de um momento para o outro. “Se nós soubéssemos que havia dificuldades já as teríamos analisado no âmbito do orçamento da câmara”, refere o edil, não deixando de acrescentar que o diferencial “é muito elevado”.Enquanto cidadão, António Paiva afirma que a festa poderia ter sido melhor preparada, de modo a que, no final, não desse prejuízos. “Estamos preparados para discutir o défice com a comissão, mas só faz sentido realizar qualquer subsídio extraordinário depois disso”, disse o autarca, acrescentando “não estar a ver” como poderá a câmara cobrir a dívida com o orçamento deste ano.Apesar de afirmar que não será necessário fazer uma auditoria às contas, porque elas parecem-lhe transparentes, António Paiva refere todavia que o relatório terá de ser analisado com muito cuidado. Até porque, em sua opinião, há aquisições que foram feitas e gastos efectuados para os quais a câmara não foi consultada e que a autarquia não pode de um momento para o outro assumir.O presidente do executivo afirma que a Festa dos Tabuleiros tem de ser sempre olhada com a singularidade de uma festa que carece sempre de uma análise específica, até porque é um evento participado por toda a população. O que não quer dizer que, no que respeita a contas, não deva seguir o conceito genérico. “À partida qualquer entidade, e por maioria de razão a câmara municipal, deve saber quais são os custos que tem com uma festa e isto é que não foi respeitado nesta festa”.Para a realização da festa a câmara atribuiu o ano passado um subsídio de cem mil euros, onde não estão contabilizadas as horas de trabalho efectuadas por inúmeros funcionários da autarquia no âmbito dos festejos.
Câmara não quer pagar prejuízos

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...