uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

César Mesquita

“Não dispenso o trabalho nas férias. Porque geralmente trabalho durante o tempo que deveria estar de férias. Dá-me jeito do modo como as coisas estão hoje. A necessidade assim o exige. E já o meu avô dizia que trabalhar dá saúde”

36 anos, empregado de mesa, Tomar

Edição de 20.07.2004 | Agora falo eu
Portugal é governado por um D. Juan?Santana Lopes é um indivíduo que gosta de se divertir, gosta da noite e de mulheres bonitas. Não acho que isso seja um defeito, é antes um proveito. Desde que saiba separar o profissionalismo do prazer… Qualquer um pode ser político?Não. Um bom político, seja homem ou mulher, tem de ser bem falante, conseguir transmitir a mensagem que pretende e incutir na população as suas ideias. Um bom político não usa a bajulação, é sincero e atinge o coração do português, sensível por natureza. Tem de ser optimista, perseverante e essencialmente gostar do que faz. Não há muitos políticos assim em Portugal e os que são bons são logo postos de parte, porque têm ideias diferentes que não encaixam na maioria das mentalidades nacionais.A região está preparada para os incêndios?Sinceramente não sei, penso que têm meios suficientes. Mas o verdadeiro problema reside no facto de não se cortar o mal pela raiz – limpar as matas e vigilância permanente. Assim é que se controlam os incêndios.Agosto é o melhor mês para se trabalhar?Depende do ponto de vista e do tipo de profissão. Na minha, Agosto é o mês que dá mais trabalho aos empregados de mesa e maiores lucros ao patrão. Os portugueses só ganharam orgulho no seu país por causa do Europeu de Futebol?Não, acho que o orgulho português sempre existiu, está sempre dentro de cada um. Com o europeu de futebol, foi exteriorizado pelas bandeiras, pela alegria e pela animação.Se tivesse um bar/restaurante proibia os clientes de fumarem no seu interior?É difícil, porque isso custa dinheiro. Se o restaurante tivesse duas salas era mais simples, numa fumava-se, na outra não. Mas numa casa pequena é mais complicado implementar o conceito, até porque a maioria dos portugueses fuma. E a maioria geralmente ganha.Qual é a conta que mais lhe custa pagar?É o IRS. Nunca recebi dinheiro desse imposto e já paguei até demais.Já alguma vez assistiu a alguma assembleia municipal?Não, talvez por simples desleixo. Acho que até se devem passar coisas importantes nas assembleias e acredito que, como eleitor, deveria até participar e contribuir com as minhas ideias. O que não dispensa nas férias?Não dispenso o trabalho nas férias. Porque geralmente trabalho durante o tempo que deveria estar de férias. Dá-me jeito do modo como as coisas estão hoje. A necessidade assim o exige. E já o meu avô dizia que trabalhar dá saúde. A água ainda é a melhor bebida para matar a sede?Sem dúvida. E com o nível de poluição que hoje temos, a água vai ser o diamante do futuro. Sem água não há o resto. E, quer se queira quer não, todos nós somos poluidores, uns mais outros menos.Se um mendigo entrasse no restaurante servia-o do mesmo modo que a um cliente habitual?Por direito serviria, porque é um ser humano como outro qualquer. Desde que ele pagasse como os outros. Se bem que a apresentação também é importante. Uma pessoa pode ser pobre, mas andar limpa e asseada, estar apresentável. Ser pobre não quer dizer ser anti-higiénico.Às mulheres oferece-se jóias ou electrodomésticos?Depende da ocasião. E da mulher. Sou capaz de oferecer um electrodoméstico a uma mulher para que ela possa fazer menos esforço – em vez de varrer com uma vassoura, é melhor para ela utilizar um aspirador, que é mais rápido. Mas não há nada como, depois de uma noite bonita, pôr uma jóia na mesa de cabeceira de uma mulher.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...