uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Adolescentes são o alvo

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Santarém com novas respostas
Edição de 20.07.2004 | Sociedade
Uma equipa formada por uma psicóloga, uma educadora social e dois animadores culturais vai começar a trabalhar, a partir de Setembro, no jardim Sá da Bandeira, em Santarém, junto de jovens da faixa etária entre os 12 e os 15 anos, considerada uma das mais problemáticas. O projecto @nijovem contará ainda com uma carrinha itinerante que percorrerá os principais locais de concentração de jovens. Esta é a resposta da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Santarém, face aos números preocupantes com que se vão deparando, designadamente situações crescentes de abandono escolar e delinquência juvenil.Em cada mês deste ano, 18 novos casos de crianças em perigo chegaram à CPCJ de Santarém, sendo que a maioria dos 400 processos acompanhados foram situações de negligência.Num balanço do trabalho desenvolvido nos primeiros seis meses deste ano, o presidente da comissão, Eliseu Raimundo, disse à Agência Lusa que o aumento das situações de negligência confirma uma tendência que se vem registando nos últimos anos.A negligência, situação em que as necessidades físicas básicas da criança e a sua segurança não são atendidas por quem cuida delas, é a causa que provoca mais intervenções da comissão (178 num total de 399 casos acompanhados).Os números permitem ainda verificar que têm vindo a aumentar as situações de abandono escolar, que passaram de 33 casos há dois anos para 50 em Junho último.A CPCJ de Santarém vê com particular apreensão o elevado número de jovens mães existentes no concelho, consequência de situações de abandono familiar e escolar e da toxicodependência. Muitos dos casos de mães com menos de 18 anos são percursos que a comissão foi acompanhando sem conseguir retirar essas crianças da rua.Segundo Eliseu Raimundo, a CPCJ acompanhou ainda 20 processos em Alcanede, uma freguesia referenciada pela existência de trabalho infantil (nas pedreiras, nomeadamente de pedra de calçada, existentes na zona) escondido nos quintais das casas.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...