uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Geisa Coelho

“Alguns cursos superiores deveriam acabar. Mas talvez não fosse justo obrigar alguém a estudar o que não se quer. É um bocado estar a limitar a escolha. Se bem que em muitos cursos está-se a estudar para o desemprego”

Estudante de Ciências de Comunicação, 21 anos, Azambuja

Edição de 27.07.2004 | Agora falo eu
Era capaz de ir trabalhar para o estrangeiro sozinha?Costumo dizer que era, mas se calhar seria complicado. Acho que só mesmo se fosse uma situação em que não pudesse dizer que não. Uma grande oportunidade profissional. Mas mesmo que fosse uma proposta tentadora, ir sozinha e deixar cá a família era complicado. Qual deveria ser o valor do ordenado mínimo?Em comparação com os ordenados dos outros países da União Europeia o nosso não é nada. Os outros países conseguem ter um nível de vida muito superior. O valor do ordenado mínimo português não é com certeza o valor ideal. Incentivam as pessoas a ter filhos, mas como é possível se os ordenados são tão baixos? Já alguma vez foi mal atendida num hospital?Achamos que nunca somos bem atendidos porque estamos normalmente numa situação crítica. O serviço público deveria tentar melhorar os serviços. Nunca estamos contentes porque gostamos de ter o melhor.O Governo deveria acabar com alguns cursos superiores?Não sei se deveria fechar ou arranjar soluções. Alguns deveriam acabar, mas talvez não fosse justo obrigar alguém a estudar o que não se quer. É um bocado estar a limitar a escolha. Se bem que em muitos cursos está-se quase a estudar para o desemprego. Há demasiados licenciados em Portugal?É sempre bom haver um determinado grau de cultura e de pessoas licenciadas em Portugal. É bom para o país e é sinal de desenvolvimento. Demonstra também que as pessoas conseguiram que os filhos estudassem. Com os ordenados tão baixos é cada vez mais difícil. Porque é que tantos jovens desistem da escola?Há jovens que se calhar não têm hipótese de ir para a universidade. Outros querem mesmo ir trabalhar para ter a sua independência. Mas o facto de haver desinteresse pela escola deve-se também muitas vezes ao meio familiar. A que país gostaria de ir passar férias?Adoro praias e calor, mas há um país que adorava conhecer pela história que é o Egipto. Tenho muita curiosidade de ver tudo aquilo ao vivo. Seria verdadeiramente um destino de sonho.Hoje em dia as tarefas domésticas já são repartidas?Acho que sim. Antigamente a mulher estava em casa para se dedicar às obrigações domésticas, mas hoje passa tanto tempo fora que o homem acaba por ter necessidade de também as fazer. Até para que os dois possam aproveitar os tempos que têm juntos. Qual foi o último filme que viu?Shrek 2. Fui vê-lo com a minha irmã e com o meu namorado e adorei. Continua ao mesmo nível. É realmente um filme para toda a família. Mas o meu filme de eleição é definitivamente “Conheces Joe Black?”.Os portugueses lêem pouco?Ainda vão lendo algumas revistas e aqueles jornais mais sensacionalistas. Talvez seja preocupante, porque se lessem mais provavelmente saberiam mais. Mas vejo por mim, que também gostaria de ler mais mas o estudo deixa pouco tempo. Quando pego num livro quase que passo uma noite sem dormir para o conseguir acabar. Qual é o seu livro de cabeceira?Neste momento são os livros da universidade. Mas o último que me impressionou foi “O Alquimista” do Paulo Coelho. Gosto de ler e tirar excertos, mas neste caso seria preciso passar o livro todo... Prefere os autores portugueses ou estrangeiros?Quando o livro me interessa leio independentemente de ser português ou estrangeiro. Sou aluna da Margarida Rebelo Pinto e entretanto, por curiosidade, já lhe li os livros todos. É uma escritora diferente, mas acabei por me interessar. Também adorei ler “Os Maias”. Para mim não foi qualquer obrigação.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...