uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Menos jogadores mais opções

União Desportiva de Rio Maior não assume candidatura à subida de divisão

Com dez caras novas e onze permanências da época passada, o Rio Maior é uma das equipas mais fortes da Série D da terceira divisão nacional. O treinador não assume o favoritismo, diz que o primeiro objectivo é assegurar a manutenção, mas em Rio Maior poucos lhe irão perdoar se não lutar pela subida.

Edição de 25.08.2004 | Desporto
O União Desportiva de Rio Maior apresenta-se esta época como um dos mais fortes candidatos à luta pelos primeiros lugares na Série D da terceira divisão nacional. Apesar do treinador garantir que o primeiro objectivo do clube é somar 37 pontos para assegurar a manutenção, as mexidas no plantel prometem uma equipa pelo menos mais equilibrada e com mais soluções do que na época passada, em que o clube terminou o campeonato no terceiro lugar, a cinco pontos dos lugares de subida.António Pereira, treinador que tomou conta da equipa no final do primeiro terço da época passada e que nos últimos vinte jogos ganhou 15, empatou três e perdeu apenas dois, mantém o comando técnico do plantel, que esta época aparece com menos jogadores mas mais equilibrado em termos das posições que os atletas ocupam no terreno.O plantel conta com 21 jogadores, onze permanências e dez novos reforços. Bruno Brito, Rui Manhoso e Ruas, vindos do Fátima; Tiago Rodrigues, um escalabitano que jogava no Caldas; Semeano, ex-vilafranquense; Boris, ex-Pescadores da Costa da Caparica); Ferreira, ex-júnior do Campomaiorense; Tiago Lopes (ex-Dundee, da Escócia), Filipe Godinho e Fafu, ex-júniores do clube que na época passada jogaram no Estrela Ouriquense; são as dez caras novas.Da época passada transitaram Rogério, Paulo Cardoso, Hugo Rafael, Ramalho, Sérgio Mendes, Amadeu, Pedro Fonseca, Gabriel, Nelson Ramos, Rui João e Travassos. É um plantel mais curto devido à necessidade de reduzir o orçamento, mas que oferece mais soluções ao treinador António Pereira.“Somos capazes de estar mais homogéneos e mais equilibrados em termos de plantel do que estávamos o ano passado. Temos mais soluções na defesa. Não quer dizer com isto que consigamos fazer melhor do que fizemos o ano passado, mas pelo menos temos mais opções”, afirma o treinador, que assume que, dentro das possibilidades do clube, todos os jogadores foram contratados com o seu aval.António Pereira recusa favoritismos e diz que a sua equipa vai partir em pé de igualdade com todas as outras. “A primeira meta é fazer 37 pontos. Vamos ver se o conseguimos fazer a 10 jornadas do fim ou a vinte. Temos de trabalhar por objectivos e esse é o primeiro. Sou realista e sei que há outros clubes. Primeiro temos de demonstrar o favoritismo dentro do campo. O ano passado éramos os melhores e depois houve um mau começo. Eu digo aos jogadores que é sempre para ganhar, mas temos de ser realistas. Se calhar em Dezembro tenho outro discurso”, completa.O treinador quer tempo para construir a equipa, em que metade dos jogadores são novos, mas está confiante que é possível estabelecer uma mentalidade vencedora indispensável para alcançar bons resultados.Confrontado com declarações suas no final da época passada em que afirmava que havia 99 por cento de possibilidades de sair e apenas um por cento de ficar, António Pereira esclareceu que ficou porque foi muito bem tratado em Rio Maior e está em sintonia com os dirigentes do clube. “É gente com ambição mas que nas alturas más também sabe perder. Fui muito bem tratado aqui. Cheguei a estar a perder em casa e as poucas pessoas que cá estavam bateram palmas e acabámos por ganhar o jogo”, disse o técnico, que assumiu um convite do Estrela de Vendas Novas, da Segunda Divisão B.Sobre os jogadores que saíram, alguns dos quais foram titulares na época passada, o treinador assume a responsabilidade das dispensas, embora não queira revelar os motivos. “Desejo-lhes o melhor da vida. Ajudaram-me e só lhes tenho a agradecer. O futuro a Deus pertence e só mais à frente se saberá se foram bem ou mal dispensados”, refere António Pereira, que diz estar de consciência tranquila.Rio Maiorvence TaçaAmizadeO Rio Maior venceu o Beneditense, no desempate por grandes penalidades, e ganhou a Taça Amizade, que os dois clubes disputaram no domingo à noite, no Estádio Municipal de Rio Maior.Após um empate a zero bolas no final do tempo regulamentar, o guarda-redes da equipa da Casa, Rogério, defendeu duas grandes penalidades o que, somado às quatro convertidas pelos seus colegas de equipa, deu ao Rio Maior uma vitória por 4-1.O jogo nunca foi muito interessante de seguir, com os jogadores muito quezilentos, apesar de se estar a disputar uma taça chamada de amizade, entre dois clubes vizinhos. Para se ter uma ideia, o treinador do Beneditense, Eduardo Silva, chegou a entrar em campo, para interpelar Gabriel devido a uma falta sobre um jogador visitante, sururu que só acalmou após a intervenção de jogadores e dirigentes.O Rio Maior teve mais tempo a bola em seu poder, mas foi um domínio pouco consequente. António Pereira fez alinhar Rogério na baliza, a defesa com Paulo Cardoso na direita, Gabriel e Ferreira ao centro e Fafu à esquerda. No meio campo Tiago Lopes e Semeano foram os homens do meio, com Sérgio Mendes à direita e Amadeu à esquerda. Boris actuou na posição de médio mais avançado, jogando nas costas de Godinho, o homem mais avançado na equipa.A melhor oportunidade de todo o jogo surgiu ainda na primeira parte. Ferreira, um jovem central que na época passada era júnior do Campomaiorense, além de uma óptima exibição na defesa, mostrou que sabe subir à área contrária, onde, aos 22 minutos, na recarga a uma bola perdida após um pontapé de canto, chutou à barra do Beneditense.Ferreira foi de resto um dos reforços que mais deu nas vistas, prometendo luta cerrada pela titularidade no eixo na defesa com Gabriel e Rui Manhoso. Fafu, que alinhou a defesa esquerdo, entrou bem no jogo, subindo várias vezes a apoiar os jogadores mais avançados, mas aos poucos, foi perdendo fulgor. Ruas, que entrou para lateral direito na segunda parte, mostrou todo o seu fulgor e certamente não deixará de ser opção.Mais discretos estiveram Tiago Lopes, Semeano, Boris e Godinho, que, pelo que fizeram neste jogo, não mostraram grandes condições de serem titulares. De fora deste jogo ficaram Rui Manhoso, Bruno Brito, Nelson Ramos e Hugo Rafael, atletas que estão a recuperar de lesões. Dos quatro apenas Bruno Brito poderá alinhar no jogo frente ao Riachense, este domingo, a contar para a primeira jornada da Série D. O jogo com o Beneditense marcou também o regresso de Sérgio Mendes, que esteve cinco meses afastado dos relvados por lesão.O treinador do Rio Maior ficou satisfeito com a exibição da equipa, embora não dê grande significado aos resultados da pré-época. “Não marcámos golos mas em termos defensivos estivemos bem. Tivemos maior posse de bola, jogámos pelas linhas e alguns jogadores complicaram-me as escolhas para o domingo que vem”, referiu António Pereira, que promete dar oportunidades a todos os jogadores, mesmo os mais jovens.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...