uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Comerciantes contestam subida das taxas

Comerciantes contestam subida das taxas

Aumentos das licenças em Azambuja ultrapassam os 100 por cento em alguns casos

Os comerciantes de Azambuja estão descontentes com o aumento das taxas de ocupação de via pública e publicidade. Há quem tenha que pagar quatro vezes mais que o ano passado.

Edição de 25.08.2004 | Sociedade
Maria José de Melo, proprietária de uma loja de decoração e cortinados, em Azambuja, não quis acreditar quando há dias lhe chegou a factura da publicidade do toldo e respectiva taxa de ocupação de via pública. O valor a pagar este ano aumentou quatro vezes em relação a 2003. “O negócio está pior e pagar quatro vezes mais é uma grande discrepância. O toldo é o mesmo e a publicidade também”, queixou-se a comerciante na última reunião de câmara. Este ano terá que pagar mais de 93 euros pelas duas licenças, o que representa um aumento de 62 euros em relação ao ano passado.O comércio tradicional de Azambuja continua a sentir os efeitos da recessão e na caixa registadora de Maria José ainda não entraram este mês receitas suficientes para pagar a renda do estabelecimento.O mesmo dilema tem o proprietário da loja de rações do Rossio. Este ano, o preço da publicidade no toldo do seu estabelecimento subiu cerca de 120 por cento. De 27,77 euros passou a pagar 61,12. Mais de 33 euros de aumento. “É uma exorbitância”, reclama José Fuzeiro, que mantém o mesmo toldo há mais de 15 anos e nunca assistiu a um aumento tão exponencial.“Não se compreende este aumento quando o comércio continua a viver uma crise”, desabafa. Para o comerciante a câmara não deveria sobrecarregar os lojistas com taxas tão altas até porque os toldos servem de abrigo para os clientes e dão indicações úteis a quem quer comprar.As placas que divulgam as 40 lojas do pólo comercial do Rossio, uma das zonas nobres do comércio de Azambuja, também sofreram fortes aumentos. De 83.16 euros, o valor a pagar pelos comerciantes passou para 137.04 euros este ano.O dinamizador da iniciativa, Manuel Rosa, proprietário da Loja do Rossio, considera que é uma subida injustificável. “Pagamos para ter mais qualidade de serviço, mas depois isso não corresponde à realidade. Não há quaisquer melhoramentos e a limpeza das ruas continua na mesma”, reclama.A proprietária da Orquídea, Maria de Lourdes Heitor, que também viu a sua licença de publicidade e ocupação de via pública subir exponencialmente, recebeu duas facturas, um das quais pelo reclamo luminoso a uma agência funerária que já não está à frente do seu estabelecimento há mais de dois anos.“É inadmissível pagar a ocupação de via pública quando nem sequer faço uso dos passeios a não ser em Novembro. Os aumentos da publicidade também não se justificam. É a mesma há vários anos”, argumenta.O presidente da Câmara Municipal de Azambuja, Joaquim Ramos, disse ao nosso jornal que compreende as dificuldades dos comerciantes e que está disposto a ponderar a questão e a rever a tabela das licenças por publicidade e ocupação de via pública aprovada na última sessão de câmara.“O regulamento das licenças por publicidade e ocupação de via pública teve aumentos, mas por comparação continua a ser inferior ao do Cartaxo, se bem que o comércio de Azambuja não é tão pujante “, reconheceu na última reunião de câmara. O autarca estranha que em alguns casos o valor tenha subido quatro vezes e pretende rever algumas situações pontuais.Joaquim Ramos lembra no entanto que havia alguma anarquia relativamente às taxas pelo que é natural que tenham que uniformizar as situações.O autarca revela que as receitas que a câmara prevê arrecadar com a ocupação de via pública e publicidade em todo o concelho rondam este ano os 43 mil euros, o que para Joaquim Ramos não é muito significativo. “As pessoas são cada vez mais exigentes. Nós estamos cada vez mais com atribuições que competiam ao poder central e sem receitas não podemos fazer obras”, argumenta.Ana Santiago
Comerciantes contestam subida das taxas

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...