uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Perigo de enxurrada

Perigo de enxurrada

Areias obstruem ribeira e colocam troço da Estrada Nacional 3 em risco
Edição de 01.09.2004 | Sociedade
As areias soltas provenientes do terreno da empresa de exploração de inertes Zubareia, que estão a encher a Ribeira da Queijeira, que corre sob a Estrada Nacional 3, entre Azambuja e Cartaxo, podem colocar aquele troço da via em risco de cheia no próximo Inverno. “Se vier uma enxurrada a areia vai toda para dentro da vala e a água pode chegar à estrada”, alerta José Manuel Simões Brás, um dos proprietários de um terreno na zona, que na última reunião de câmara de Azambuja, realizada a 19 de Agosto, apresentou o assunto ao executivo. O munícipe considera que se a empresa colocasse sacos de areia para impedir a deslocação dos inertes a situação ficaria remediada.O vereador da Câmara Municipal de Azambuja, José Manuel Pratas, disse ao nosso jornal que já contactou a Zubareia, com a intenção de pedir à empresa que coloque um sistema de protecção que impeça as areias soltas de escorrerem para a vala, mas até ao momento não obteve qualquer resposta por parte dos responsáveis.José Manuel Pratas diz que a colocação de uma protecção para impedir que as areias passem para a vala é da responsabilidade da empresa e adianta que a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) de Lisboa e Vale do Tejo já tinha dado à empresa um prazo para a realização dos trabalhos, que não foram efectuados até ao momento.O autarca lembra que esta é uma situação que se arrasta há vários anos e que já tem provocado, durante o Inverno, a inundação da estrada naquele local.A empresa Zubareia, que cessou a exploração de inertes no local em 1996, foi notificada pela CCDR em Maio deste ano para proceder à limpeza e desobstrução da linha de água, cujo prazo se encontra a decorrer. Em ofício enviado ao nosso jornal os serviços da CCDR explicam que a intimação “tem a ver com a circunstância de ser proprietário confinante não decorrendo do exercício da exploração de inertes em zona fora do domínio hídrico”.Apesar da empresa não ter efectuado quaisquer movimentações de terras, as areias do terreno da Zubareia têm-se aglomerado na vala, impedindo a circulação das águas no ribeiro.Fonte da Zubareia disse ao nosso jornal que a empresa ainda está dentro do prazo para efectuar a limpeza da vala, adiantando que os trabalhos só ainda não se iniciaram por causa das chuvas que caíram em Agosto, mas deverão arrancar em breve.
Perigo de enxurrada

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...