uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Ludgero Marques e Rocha de Matos nas Conversas do Vale do Tejo

Ludgero Marques e Rocha de Matos nas Conversas do Vale do Tejo

Primeiro dia da Fersant conta com a presença de nomes de peso do mundo empresarial
Edição de 29.09.2004 | Economia
Os presidentes da Associação Empresarial de Portugal (AEP), Ludgero Marques, e da Associação Industrial Portuguesa (AIP), Rocha de Matos, serão os principais protagonistas de mais uma edição das “Conversas do Vale do Tejo”, que vai decorrer esta sexta-feira, 1 de Outubro, em Torres Novas. O encontro decorre no auditório da Associação Empresarial da Região de Santarém (Nersant), que tem vindo a promover esse ciclo de conferências.A sessão, que integra o programa do primeiro dia da Feira Empresarial da Região de Santarém – Fersant, tem como tema “O Associativismo Empresarial: A Hora da Unificação”.O associativismo empresa-rial e a sua influência na política económica do país, a divisão do associativismo empresarial e a necessidade de uma unificação, bem como a crise económica e as respostas das associações empresariais deverão ser algumas das questões a abordar. A conversa contará com a moderação do director do jornal Semanário Económico, João Vieira Pereira.Mas as conversas não se ficarão por aí. Como habitualmente, a Fersant constituirá um espaço de debate e reflexão sobre os temas mais importantes para os agentes económicos da região. Nesse sentido estão agendados, para dia 8 de Outubro, mais duas sessões de trabalho, versando assuntos distintos.“O impacto nas empresas da aplicação do acordo Basileia II” é um debate organizado pela Nersant e pela Caixa Geral de Depósitos. “As consequências nas empresas da aplicação do art. 35º. do Código das Sociedades Comerciais” é o mote de um seminário a promover por uma importante sociedade de advogados do país.A organização recorda que, caso o Governo arranque com a aplicação do artigo 35 do Código das Sociedades Comerciais, prevê-se o encerramento de 30 mil sociedades privadas no nosso país. As associações empresariais exigem que se a lei for cumprida, seja igualmente estendida às empresas públicas.
Ludgero Marques e Rocha de Matos nas Conversas do Vale do Tejo

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...