uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Bacia de retenção para evitar cheias em Alverca

Bacia de retenção para evitar cheias em Alverca

Presidente da junta critica actuação tardia da câmara

Para prevenir novas inundações em Alverca, a câmara vai construir uma nova bacia de retenção a montante do rio Crós-Crós. Os alverquenses aplaudem a medida, mas lamentam a actuação tardia do município e temem a subida das águas a todo o momento.

Edição de 29.09.2004 | Sociedade
A construção de uma bacia de retenção a montante do troço coberto do rio Crós-Cós é a solução para evitar as inundações na cidade de Alverca. A proposta foi apresentada pela Câmara Municipal de Vila Franca de Xira na última reunião pública do executivo.A presidente informou que a autarquia terá de negociar com proprietários de alguns terrenos, uma vez que o espaço necessário para a construção da infra estrutura não é do domínio municipal. Segundo Maria da Luz Rosinha (PS), o rio Crós-Cós terá de ser afundado porque tem vindo a perder leito, o que facilita o seu transbordo quando aumentam os níveis de pluviosidade. A câmara pretende também proteger as margens com a colocação de muros de pedra ou gabião e garantiu a realização de limpezas mais frequentes. Para impedir a passagem dos lixos depositados pelos munícipes, será colocada de uma segunda grade que retenha os detritos mais afastada do troço do rio coberto. Como medida de segurança, a câmara vai manter uma retroescavadora, uma viatura pesada e uma brigada dos serviços municipalizados junto ao rio para fazer a limpeza regular. O objectivo é prevenir a subida rápida do nível das águas e as consequentes inundações.A presidente confia que a construção de uma segunda bacia de retenção irá resolver o problema. Recorde-se que a câmara está a construir uma bacia de retenção entre a linha-férrea e o Tejo. Os técnicos defendem a necessidade de travar a água a montante do troço coberto do rio Crós-Crós. É nesta zona que estão as maiores barreiras com tubagens colocadas por um conjunto de empresas de serviços sem o devido acompanhamento dos serviços municipais.Um grupo de trabalho que envolve a câmara, a junta de freguesia e o Instituto da Água (INAG), tem procurado soluções para evitar a repetição das inundações verificadas em 2 de Setembro e a 9 de Novembro do ano passado. A presidente da câmara frisou que as inundações de Verão têm a ver com uma transformação climatérica para a qual todos têm de estar preparados. Rui Rei, vereador do PSD, lembrou que as inundações em Alverca sucedem com intervalos cada vez mais curtos e com graves problemas para a população. “Todos têm que assumir responsabilidades e tomar medidas para resolver o problema. Se a responsabilidade for do INAG e o INAG não limpar, a autarquia tem que limpar e enviar-lhe a factura”, recomendou. Munícipe acusado de atentado à naturezaMaria da Luz Rosinha anunciou que a GNR de Alverca identificou o munícipe, alegadamente, responsável pela obstrução do rio aquando das últimas inundações verificadas no início do mês na parte baixa de Alverca, no bairro do Choupal e na urbanização da Quinta da Ómnia. Segundo a presidente da câmara, o munícipe será acusado de crime de atentado contra o ambiente e a natureza e será alvo de um processo de contra-ordenação. O homem cortou árvores e deitou os troncos no rio criando barreiras à normal passagem da água. “Há aqui várias responsabilidades. Pedimos à GNR que identificasse todos os proprietários confinantes do rio, cujas propriedades foram limpas e apurasse para onde foram os detritos. A maior parte foi certamente para o rio”, disse, advertindo que outros munícipes podem vir a ser acusados.Junta de freguesia responsabiliza câmara A presidente da Junta de Freguesia de Alverca, Serafina Rodrigues (CDU) apontou o dedo à Câmara Municipal de Vila Franca, referindo que a sua intervenção pecou por tardia. “O que estão a fazer agora se tivessem feito antes do Verão, isto não teria acontecido”, disse na última reunião da assembleia. “A câmara tinha todos os meios na noite das inundações (2 de Setembro), no dia seguinte já não tinha nada”, acrescentou. Na reunião realizada no sábado, 25 de Setembro, em A-dos-Melros, os eleitos da Assembleia de Freguesia de Alverca aprovaram por unanimidade uma moção proposta pelo PSD. O documento reclama a realização de intervenções preventivas, como sejam a limpeza das linhas de água, das sarjetas e dos colectores de esgoto e águas pluviais.A moção aconselha a junta a elaborar um mapa com os pontos negros e a reclamar da câmara a permanência de meios técnicos e humanos nos locais de risco como medida preventiva.Xiradania critica política de urbanismoEntretanto, o movimento de cidadania do concelho de Vila Franca de Xira-Xiradania criticou a política de urbanismo e ordenamento de território da câmara que considerou a causa principal das inundações verificadas. O movimento lamentou que as sugestões apresentadas após as inundações de 9 de Novembro tenham caído em saco roto.Segundo o Xiradania, foi feito muito pouco e intensificaram-se as alterações nos terrenos que aumentam a probabilidade e o grau de gravidade de cheias e inundações. O movimento sublinha os aterros feitos na Ribeira dos Caniços, dos Salgados e da Quinta do Anabique. “É inadiável uma mudança radical”, conclui o movimento.
Bacia de retenção para evitar cheias em Alverca

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...