uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Veiga Maltez fora de jogo

Veiga Maltez fora de jogo

Presidente da Câmara da Golegã não se recandidata zangado com as guerras políticas internas

Farto de críticas e deslealdades, o presidente da Câmara da Golegã decidiu não se recandidatar em nome de valores éticos e da estabilidade política no concelho. A decisão foi anunciada na sessão da assembleia municipal, que acabou por abandonar a meio indignado com o comportamento de alguns políticos.

Edição de 29.12.2004 | Política
O presidente da Câmara da Golegã não se vai recandidatar ao cargo nas eleições autárquicas de 2005. Veiga Maltez anunciou a sua decisão na sessão da assembleia municipal de 22 de Dezembro, apanhando de surpresa muita gente. À sua decisão não são alheias as quezílias políticas que vem mantendo com o seu ex-número dois no executivo - o socialista Vítor Guia, a quem retirou parte dos pelouros em Junho passado -, nem as críticas que lhe foram dirigidas no âmbito do processo de acerto de fronteiras entre os concelhos de Golegã e Santarém.Numa curta declaração lida na assembleia, que não mereceu reacção de nenhuma das bancadas, Veiga Maltez lançou críticas aqueles que desconhecem ou desvalorizam os “valores éticos e de serviço público” que diz ter sempre prosseguido “acima de quaisquer interesses”. Mesmo sem especificar os destinatários da mensagem, é óbvio que se trata de pessoas que foram seus colaboradores próximos quando refere: “Nem sempre fui acompanhado e seguido, reconheço. Mas os que ainda me acompanham supriram, e suprem, as faltas”.Foi em nome de alguma estabilidade política, e para evitar especulações futuras, que o autarca decidiu bater com a porta. “A projecção de um quadro político-institucional futuro em convivência com essa forma de ver e fazer política é insuportável. Não sou, por isso, candidato às próximas eleições autárquicas na Golegã”, afirmou.Antes, Veiga Maltez havia manifestado o “orgulho” pelo muito que contribuiu enquanto líder de um executivo que “muito contribuiu para a expressão local, regional, nacional e internacional que o nosso concelho granjeia”. E acrescentou: “Os munícipes usufruem de uma qualidade de vida de que, porventura, nem se apercebem”.O pano de fundo para esta decisão drástica remonta a Junho passado, quando Veiga Maltez retirou alguns pelouros ao seu número dois no executivo, Vítor Guia, que na altura se encontrava de baixa por doença. O que, na sua óptica, “potenciou o completo abandono” dos pelouros do Desporto, Tempos Livres e Transportes. Na mesma acta é ainda mencionado que Vítor Guia não informava o presidente das actividades e tarefas que lhe foram atribuídas, “em confronto” com o que estipula a lei.A resposta de Vítor Guia surgiu um mês depois, novamente em reunião camarária. O então número dois do executivo comunicou a sua aposentação e entregou o resto dos pelouros, mantendo-se no entanto como vereador. Já este mês, em entrevista a O MIRANTE, explicou que a entrega dos pelouros se deveu a discordâncias quanto à forma como Veiga Maltez vinha gerindo o município. Acusou mesmo o presidente da câmara de falta de lealdade e de omitir informação.Uma reacção potenciada pela entrevista dada em Novembro a O MIRANTE por Veiga Maltez, onde este explicava as mudanças no executivo com a aposentação de Vítor Guia e com a necessidade de remodelar alguns pelouros. “É uma remodelação que já estava prevista até pelo próprio senhor Vítor Guia, que no início não tinha a certeza de ficar até ao fim do segundo mandato”.A polémica gerada pela aprovação, pela Assembleia da República, da alteração dos limites dos concelhos da Golegã e Santarém, com a integração da freguesia de Pombalinho no concelho da Golegã, acabou por deitar mais uma acha para a fogueira. A população da Azinhaga - freguesia que no âmbito desse diploma fica amputada de 400 hectares de área -, contesta a posição neutral de Veiga Maltez, que afirmou tratar-se de uma decisão do Parlamento que não iria comentar.Numa reunião realizada no dia19 em Azinhaga, as críticas fizeram-se sentir: “O concelho da Golegã fica sempre a ganhar, mas a Azinhaga que é perde”, ouviu-se na sala, onde se considerou que a câmara e o seu presidente deviam tomar posição sobre o assunto. “Fomos nós que o elegemos”.A câmara acabou por tomar posição, unânime, na manhã de quinta-feira, 23, apelando ao Presidente da República que não promulgue o diploma proposto pelo deputado do CDS Herculano Gonçalves.Moção de solidariedade para Maltez Na assembleia municipal de quarta-feira, os membros do PS apresentaram uma moção em que defendem Veiga Maltez da “tentativa deliberada, por parte de algumas pessoas, de responsabilizar o presidente da câmara, acusando-o de intervenção no processo que levou à integração da freguesia do Pombalinho no concelho da Golegã e alteração dos limites das freguesias”.Manifestando a sua “total e completa solidariedade” para com o presidente da câmara, os subscritores do documento apelam ainda para “pararem de denegrir a imagem daquele que tem dado muito de si a este concelho”. O texto foi aprovado unicamente com os votos do PS, mas não de todos os elementos da bancada o que mostra que até nisso o PS está dividido. O presidente da Junta de Azinhaga, Francisco Asseiceira, e João Luís Santos abstiveram-se. Tal como os elementos do PSD e da CDU.Quem concorda inteiramente com a moção é a concelhia socialista. “Pensamos que é injusto imputar responsabilidades ao presidente da câmara”, afirmou Rui Medinas, acrescentando que a moção expressa a opinião da concelhia em todo este processo, podendo haver militantes do PS que individualmente tenham outras opiniões. Medinas atribuiu toda esta confusão a uma “má interpretação” que foi feita das palavras de Veiga Maltez.Tristeza e elogiosA decisão do presidente da Câmara da Golegã causou “tristeza e apreensão em relação ao futuro” na concelhia socialista da Golegã, disse a O MIRANTE o presidente daquele órgão, Rui Medinas. “É um autarca de excelência e o PS tem orgulho no trabalho que ele e a sua equipa tem desempenhado”, continuou. Em relação ao candidato socialista à presidência da câmara, esclareceu que o processo ainda não foi iniciado. Paulo Fonseca, presidente da distrital socialista, considerou o trabalho desenvolvido por Veiga Maltez “extremamente positivo” mas não se alargou em comentários justificando que neste momento as atenções estão viradas para as eleições legislativas de 20 de Fevereiro.
Veiga Maltez fora de jogo

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...