uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Sinais polémicos

Sinais polémicos

Automobilistas recusam pagar as multas em Samora Correia
Edição de 19.01.2005 | Sociedade
A multa custa menos de 10 euros, mas Filipe Simões garante que não a vai pagar porque considera ser uma injustiça. O comerciante de Samora Correia foi autuado no dia 12 de Janeiro quando tinha o carro estacionado numa travessa perpendicular à Rua Cândido de Oliveira, perto das piscinas de Samora Correia.Os sinais de estacionamento proibido estão colocados apenas numa das entradas da travessa, mas o condutor alega que entrou pelo lado contrário, onde não existe nenhum sinal.Outros condutores, que já foram autuados no local, também manifestaram vontade de recorrer. Uma das “vítimas” disse a O MIRANTE que vai pagar a multa, tendo em conta que a coima é barata. “Não quero ter chatices. Se recorrer gasto mais”.O MIRANTE esteve no local e verificou a situação que é idêntica noutra travessa a escassos 50 metros do local. Quem vem da zona do centro de saúde ou do lar de idosos, não se apercebe da proibição de estacionar e todos os dias há carros estacionados nas duas travessas e nos dois sentidos. A situação obriga os condutores a alguma perícia para poderem circular e gera alguns conflitos.Fonte da GNR de Samora Correia explicou que mesmo que não existissem sinais de proibição de estacionar, as autoridades podiam autuar. “Desde que se esteja a impedir a circulação normal nos dois sentidos de uma via, há infracção ao código da estrada”, referiu a nossa fonte.Na multa passada ao condutor Filipe Simões, a infracção que consta é de estacionamento proibido numa zona onde existem sinais de proibição e o nome da rua está incorrecto. A notificação refere Rua Padre Tobias, e essa rua é outra. “Então a multa está mal passada”, argumentou o autuado.O comerciante, proprietário do Café Nova Era, está disponível a contratar um advogado e levar o caso até às últimas consequências. Se não reclamar numa exposição feita ao Governador Civil de Santarém junto da Direcção Geral de Viação, no prazo de 20 dias, o condutor terá de pagar cerca de 50 euros, cinco vezes o valor da multa.Nelson Silva Lopes
Sinais polémicos

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...