uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Artes na quinta

Projecto inovador em curso para as escolas primárias de Torres Novas
Edição de 02.02.2005 | Sociedade
Cerca de 1.300 crianças do concelho de Torres Novas vão participar nas Oficinas de Expressão Artística, desenvolvendo as suas capacidades através das expressões plástica e dramática. O projecto, custeado pelo município, é da responsabilidade da empresa Barca Lunar e envolve todas as escolas primárias do concelho.Sentados ao longo da passadeiras os alunos das escolas da freguesia de Parceiros da Igreja têm espectadores para a sua aula de expressões. Ninguém diz nada. Olham para os visitantes e quando, do fundo da sala, Rita Tormenta Clara lhes lembra que são as peças de uma máquina começam a levantar-se um a um e a ser mais uma peça na engrenagem que se movimenta, acelera, acelera cada vez mais e acaba por explodir.A construção de um espectáculo é o objectivo último do projecto da autoria de Rita Tormenta Clara e Miguel Gorjão Clara, responsáveis pelo projecto. Uma actriz e encenadora e um designer e realizador ligado ao audiovisual que decidiram trocar Lisboa por Torres Novas.As crianças vêm de todas as escolas do concelho até à Quinta dos Negréus, em Torres Novas, onde as aulas começam por uma visita aos cavalos e outros animais. Depois entram no ateliê para exprimir e experimentar através da expressão dramática e plástica um conjunto de experiências diversificadas. O projecto, formalmente apresentado a 27 de Janeiro, vai decorrer até Julho e por ele a autarquia vai pagar 41.040 euros. Os alunos vêm de uma ou mais escolas para que os grupos atinjam as 30 crianças, número considerado ideal pelos formadores para o desenvolvimento das actividades. E tudo decorre com grande rigor e disciplina. “Há quem defenda que a arte não tem regras, para nós não é assim, há grande rigor nas nossas aulas”, esclarece Rita Tormenta. Para os alunos é também uma experiência diferente. Saem da sala de aulas para um outro espaço para representar a brincar e moldar e desenhar, trabalhando com materiais que vão do barro ao vídeo. No projecto da Barca Lunar não interessa encontrar bons actores ou bons designers. O importante é que todos em conjunto construam alguma coisa em conjunto, que estimule a auto-estimaMargarida Trincão

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...