uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Perigo na linha

Perigo na linha

Comboios de mercadorias não são alvo de vistorias aos fins de semana

Dezenas de comboios de mercadorias circulam ao fim de semana pelo Ribatejo sem serem sujeitos a qualquer vistoria. O Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Sector Ferroviário alerta para o perigo de segurança na linha mas a CP garante que está tudo controlado.

Edição de 02.02.2005 | Sociedade
Desde Setembro que os comboios de mercadorias que circulam nas linhas do Norte e das Beiras deixaram de ser vistoriados pelos operadores de material adstritos à Unidade Tracção de Mercadorias e Logística (UTML) do Entroncamento. A decisão partiu da própria CP, através da emissão de uma nota interna.Os operadores, que até Setembro asseguravam as vistorias em todos os turnos, foram informados de que a partir desse mês não haveria trabalho de vistoria entre as 24 horas de sexta-feira e as zero horas de segunda-feira. Daí a redução de pessoal, com rescisões de contrato.Os funcionários da UTML são responsáveis pela verificação de todo o material circulante, desde suspensões, molas ou rodados. São eles também que verificam se a mercadoria vai bem acondicionada ou se há perigo de cair à linha ou soltar-se.Procedimentos que há quatro meses não são cumpridos e que podem fazer toda a diferença em termos de segurança. Os operadores dizem não se responsabilizar por qualquer acidente ferroviário durante sábados e domingos provocados por falhas no equipamento circulante. “A CP deveria zelar em primeiro lugar pela segurança na linha, mas prefere agarrar-se a interesses economicistas”, refere o representante do Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Sector Ferroviário.Para João Azevedo o que está em causa é a segurança dos passageiros e de toda a circulação feita aos fins de semana. Porque “tudo pode acontecer quando um comboio de passageiros se cruzar com uma composição de 300 metros de comprimento, carregada com toneladas de pedra, cimento, carvão ou madeira. Já para não falar dos que transportam matérias perigosas”.Numa primeira tentativa de esclarecer a questão, a CP prontificou-se a desmentir a situação, afirmando nada se ter alterado em termos de procedimentos na estação do Entroncamento. A insistência, e a demonstração de que haviam factos que provavam o contrário, levou a que o responsável da unidade de negócios que gere as mercadorias, a CP Carga, viesse posteriormente admitir ao nosso jornal que as revisões aos comboios de mercadorias não são efectivamente feitas aos fins de semana.Carlos Lopes justifica a decisão da CP pela diminuição acentuada da circulação de mercadorias aos sábados e domingos, afirmando não fazer sentido manter turnos de 24 horas nesses dias.No ano passado a CP elaborou um novo plano de transportes, adaptado, segundo Carlos Lopes, às exigências do mercado e dos clientes. O novo plano privilegia o transporte de mercadorias durante a semana em detrimento do fim de semana. Ao sábado e domingo, diz o responsável da CP Carga, a tripulação de cada comboio de mercadorias – maquinista e operador de apoio – faz uma revisão sumária. Isto é, ensaia o freio e pouco mais. A vistoria mais aprofundada, refere Carlos Lopes, “é guardada para a próxima oportunidade”. Isto é, na segunda-feira seguinte. O problema é se essa vistoria já vier tarde demais.Margarida Cabeleira
Perigo na linha

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...