uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Protestos eleitorais na Serra

PS fala em violação de procedimentos nessa freguesia de Tomar
Edição de 23.02.2005 | Política
O acto eleitoral de domingo não correu de forma pacífica na freguesia da Serra, concelho de Tomar. O delegado pelo PS acusou a mesa de “violação sistemática” dos procedimentos eleitorais e elaborou 22 protestos.Dezenas de cidadãos residentes na freguesia da Serra, concelho de Tomar, foram no domingo às urnas sem levarem qualquer documento identificativo a não ser o próprio cartão de eleitor. A maior parte dos utentes do Lar Nossa Senhora da Purificação votaram acompanhados por uma funcionária sem terem a obrigatória declaração médica que atestasse a sua incapacidade física e/ou mental para tal.Estas e outras irregularidades processuais foram denunciadas pelo delegado do PS ao acto eleitoral, na mesa nº.1 da freguesia da Serra. Nascimento Costa acusa a presidente da mesa, militante do PSD, de violar sistematicamente os regulamentos que regem o acto eleitoral e de mostrar uma postura autoritária perante si, quando lhe chamou a atenção das alegadas irregularidades.Nascimento Costa acusa Rosa Santos de fazer tábua rasa dos procedimentos legais, deixando votar dezenas de pessoas que não levavam qualquer documento com foto recente e identificativa. “Nesses casos, diz a lei, a identidade de cada pessoa tem de ser atestada por duas testemunhas que declararam, sob compromisso de honra, a identidade do eleitor”.Ao contrário, a presidente da mesa diz estar de consciência tranquila, tendo procedido em conformidade com a lei. “Os senhores do PS sabem que nas terras pequenas todas as pessoas se conhecem e os eleitores que não traziam os seus bilhetes de identidade são bem conhecidos na terra”, refere Rosa Santos.Apesar de ter sido a primeira vez que a militante do PSD presidiu a uma mesa de voto, Rosa Maria diz ter-se elucidado sobre as suas funções e competências com os colegas de mesa, que já levam muitos anos de actos eleitorais, e acredita ter agido em consonância com a lei.“Não é minha culpa que o centro de saúde nunca esteja aberto em dia de eleições e que o médico se tenha recusado a passar as credenciais necessárias”, retorquiu a presidente da mesa quando questionada sobre o facto de a maioria dos utentes do Lar Nossa Senhora da Purificação ter votado acompanhada por uma funcionária da instituição. Os protestos apresentados pelo delegado do PS foram aceites pela totalidade dos elementos da mesa, ficando lavrados em acta. Além disso seguiram também para a assembleia de apuramento geral distrital, que deverá agora apreciá-los.Margarida Cabeleira

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...