uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

A conta da farmácia

Helder Fráguas
Edição de 23.03.2005 | Opinião
Há pessoas com uma desfaçatez…Eu compreendo que não deve ser agradável levar um tiro nos testículos.A dor com uma simples pancada é suficientemente forte para que se possa imaginar o sofrimento que aquele homem teve.É fácil de aceitar que ele passou por um mau bocado. Ainda que tenha conseguido ir a conduzir o seu próprio automóvel até ao hospital. Calculo a atrapalhação. Deve ter sido dos piores momentos, em termos de dor física.Dois anos depois, ele juntou ao processo uma série de recibos da farmácia. Aparentemente, seria o normal. Pouca gente se dá ao trabalho de se pôr a ver que medicamentos terão sido comprados.Ele pedia uma bela indemnização ao arguido.Alegava que tinha terminado a sua vida sexual. Isso já era mais difícil de aceitar. O Instituto de Medicina Legal garantia que o ferimento não era apto a causar uma incapacidade funcional.Mas esta matéria tem tanto de físico como de psicológico. Realmente, levar com uma bala naquele sítio deve ser traumatizante. Pode causar alguns problemas psicológicos.O homem disse-me peremptoriamente:- Desde a altura, fiquei sem reacção.E apontava para as partes genitais.Comecei a pensar que seria, de facto, complicado decidir se daria aquilo como provado ou não.A tarefa foi-me facilitada pelo advogado de defesa.O arguido andava muito solitário, lá na prisão.Pôs-se a ler atentamente todas as fotocópias do processo.Os tais recibos da farmácia não lhe passaram ao lado.Todos eles em nome da vítima, já com 62 anos de idade.O curioso era verificar a discriminação dos produtos adquiridos.Entre eles, contavam-se pastilhas Rennie, compradas muito depois do disparo. Efectivamente, não poderiam ter nada que ver com a actuação do arguido. Havia ainda uma quantidade de medicamentos para o reumatismo. Ele não devia ser daqueles que recorria às pomadas próprias para cavalos, que dizem ser muito eficazes também para humanos.Agora o mais curioso era verificar a quantidade de vezes que ele tinha comprado preservativos. Será que era devido ao facto de não ter “reacção”? Andava sempre a tentar em vão?Fiquei convencido do contrário.Apesar da idade e não obstante o ferimento causado por aquele disparo num sítio tão sensível, ele deve ter continuado a dar utilidade ao número de preservativos que adquiria.De modo, que, de indemnização, dei menos do que ele pedia.Do ponto de vista criminal, não pude deixar de condenar o arguido.O acusado alegava legítima defesa.Mas sem grande fundamento.Eles eram vizinhos. Ambos já se encontravam reformados. Até tinham tido alguma amizade.Em tempos, o agressor tinha ajudado o outro numa obra.As coisas azedaram uma vez que a vítima se servira de lenha cortada pelo vizinho.Estes pedaços de madeira estavam num terreno desocupado. Mas quem os tinha preparado era o dono da pistola que veio a ser a arma do crime.Como o local de armazenamento não era de nenhum deles, a vítima resolveu servir-se de uma boa quantidade. Sobretudo porque ouvira dizer que o outro lhe tirara, em tempos, areia de construção civil.O homem que tinha gasto tanto tempo a cortar lenha foi pedir satisfações.A resposta foi demolidora:- Aquilo era de madeira apanhada aí no pinhal. As árvores não eram suas. O terreno onde a lenha estava guardada também não é seu. Além disso, já está tudo queimado.Foi o suficiente para gerar uma zaragata.O que tinha retirado a madeira agarrou-se ao pau, que estava no seu quintal. Tinha um ar ameaçador.O outro retirou-se.Regressou com uma pistola. Tinha estado em África, a combater. Sabia manejá-la.Faltava um elemento essencial para se poder dizer que havia legítima defesa: a actualidade da agressão. Uma pessoa não pode atingir outro se a ameaça de agressão já terminou.*Juiz (hjfraguas@hotmail.com)

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...