uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Faenas de Inverno II

A semana passada publicámos a primeira parte das Faenas de Inverno. Um Inverno que apesar de seco não foi, segundo o autor, suficientemente seco para evitar uma abundante produção de dislates. A provar a teria de Aurélio Lopes aqui fica o segundo capítulo desta série.

Edição de 30.03.2005 | Opinião
6 - Faena histórica para a Câmara Municipal de Tomar que, disposta a competir com Santarém a todos os níveis, ficou agastada, já se vê, com a descoberta do maior cemitério islâmico da Península no decorrer das obras da rotunda do Largo Cândido dos Reis. Vai daí, resolveu construir também uma rotunda e descobrir aí igualmente restos funerários, vestígios de olaria e até moedas de ouro. Não islâmicos, assinale-se, mas romanos! Ou seja, mais antigos ainda, e mais preciosos também!Ora toma!7- “Faena do desenrasca” para a Câmara Municipal de Santarém, decidindo, finalmente, arrancar com as obras de conclusão da rua Ó. Dispondo de 95% do terreno necessário o Município vai, mesmo assim, arriscar o início dos trabalhosAfinal, as eleições estão à porta, e mesmo que os restantes 5% se localizem precisamente no centro do projecto viário, pode-se sempre, em última instância, construir aí uma rotunda (mesmo que oval) e circular em seu redor!8 – E, já agora, uma “Faena contabilística” para o vereador da CDU, José Marcelino, comentando o projecto de alteração do Orçamento Municipal respeitante aos gastos publicidade por parte da Divisão de Cultura. Afirmou o mesmo, alto e bom som, “não compreender qual a razão de um reforço de 100 mil Euros (...) quando tais serviços estavam já dotados de 168mil Euros destinados ao efeito!Não compreende?! Ora essa! Olhe que é bem claro!!Passo a explicar! É que (está a prestar atenção?) afinal não são precisos 168 mil Euros, mas sim 268 mil Euros! Tá a ver diferença?!!9 – E uma outra, agora “do mau feitio”, para o mesmo autarca por afirmar levianamente que se a dita alteração incide sobre um Orçamento com apenas dois meses, isso quer dizer “que o mesmo foi mal feito!”Não necessariamente amigo Marcelino, não necessariamente! Veja só que há dois meses ainda existia o impagável “governo Calimero” e o PS ainda não tinha ido a votos, nem obtido a maioria absoluta! Pois é..., no fundo é a célebre afirmação de Pimenta Machado a fazer jurisprudência: “o que hoje é verdade amanhã é mentira!”10 – E finalizemos com uma “faena mística” para a Diocese de Santarém pela sua campanha pela chuva. Para isso não só enviou uma missiva às diversas paróquias exortando a que “se reze para pedir chuva” como lançou mão às novas tecnologias e transmitiu o mesmo apelo em www.diocese-santarem.pt!Confesso que não sei se o Céu tem, neste momento, acesso à Internet (alias, se não tem, devia ter) mas, arriscar-me-ia a dizer, que tal diversidade e proliferação de apelos não pode deixar de ser tida (por Deus) em linha de conta! Assim o permitam os “misteriosos caminhos do Senhor”!Naturalmente o aproximar das eleições autárquicas irá fazer aumentar ainda mais o IGAPP: Índice Global de Asneiras por Político! Constitui este um fenómeno sobejamente estudado, cientificamente comprovado, e cujas causas parecem radicar no frenesim desesperado de tentar ,de qualquer forma, convencer o eleitorado hesitante.E como o dito eleitorado (que na verdade é aquele que decide as eleições) corresponde, grosso modo, àquelas franjas marginais do espectro eleitoral, pouco interessadas e menos esclarecidas, mais preocupados com o penalty sobre o Liedson, ou as peripécias grotescas da “Quinta das Imbecilidades”, calcule-se até onde irá descer o nível das intervenções políticas!Bons tempos nos esperam!PS – Não poderia terminar sem uma menção honrosa para a minha amiga Idália Moniz, ex-vereadora da cultura da Câmara Municipal de Santarém. “Faena cósmica” para quem, qual meteoro, passou em três anos de Presidente de Junta de Freguesia a Vereadora, de Vereadora a Deputada Nacional e de Deputada a Secretária de Estado.Mérito seu, concerteza! Mas que não deve fazer esquecer a precariedade das coisas. Por exemplo, que os meteoros são, por definição, “estrelas cadentes”!

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...