uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Pena suspensa para abusador de crianças

Pena suspensa para abusador de crianças

Tribunal de Tomar deu como provada maioria dos factos imputados ao sexagenário

O Tribunal de Tomar condenou um sexagenário a dois anos e seis meses de prisão, com pena suspensa por três anos, pela prática de abuso sexual de menores. As famílias das vítimas prometem recorrer da sentença.

Edição de 15.11.2005 | Sociedade
José Godinho, 70 anos, ex-motorista da Associação Recreativa e Cultura de Santa Cita, Tomar, é autor material de três crimes de abuso sexual de menores. O Tribunal de Tomar deu na segunda-feira como provada a maioria dos factos de que o arguido vinha acusado, condenando-o a um ano e três meses por cada um dos crimes. Considerando que o sexagenário praticou actos sexuais de relevo contra menores – um crime punível com pena de um a oito anos de prisão - o juiz presidente do colectivo acabou por sentenciar um cúmulo jurídico de dois anos e seis meses de prisão, suspendendo no entanto a pena por três anos.Para a suspensão da pena o colectivo, presidido pelo juiz José Carneiro, atendeu “à idade e respeitabilidade” que o autor dos actos terá junto da comunidade onde reside. Não esquecendo, como salientou José Carneiro, que as crianças vitimadas ficaram marcadas para sempre.“A simples censura do facto e a ameaça de prisão afastam o arguido da intenção de práticas idênticas às que ficaram agora provadas”, considerou o presidente do colectivo de juízes, justificando deste modo acórdão.Os factos remontam a 2003 e envolvem quatro crianças do sexo feminino que tinham à altura entre dez e 11 anos de idade. Residentes na localidade de Curvaceiras, praticavam patinagem artística na ACR de Santa Cita, sendo o arguido motorista encarregado de fazer o transporte, três vezes por semana.Durante a leitura do acórdão o juiz relatou os actos provados em tribunal, nomeadamente conversas obscenas que José Godinho tinham com as meninas. Além disso, passava muitas vezes à prática, mexendo-lhes nas zonas genitais e mantendo outros contactos de cariz sexual.“Instintos libidinosos” que “cortavam a liberdade e autodeterminação sexual” das crianças. O colectivo de juízes condenou ainda o arguido a pagar uma indemnização de mil euros aos pais de uma das menores por danos não patrimoniais, dando como provado que a criança desistiu de frequentar as aulas de patinagem após denúncia dos actos.Famílias prometem recorrerOs familiares das crianças mostraram o seu desagrado pelo facto de o juiz não condenar o arguido a uma pena de prisão efectiva. E prometem recorrer da sentença.O pai de uma das crianças não escondeu a sua indignação, afirmando não querer dinheiro nenhum e garantindo que iria de imediato recorrer da decisão judicial. “Fez a porcaria que fez e fica cá fora a rir-se de nós? Não pode ser”, questionou.“Ela é minha filha e ele sabia isso”, salientou o mesmo pai, adiantando ainda que à altura dos acontecimentos era colega de trabalho “e até amigo” do arguido.Também a mãe de outra menina afirmou que a decisão do juiz foi injusta, até pelo facto de ele ter dado como efectivamente provados quase todos os factos.De frente para o juiz presidente, José Godinho ouviu a sentença de cabeça erguida e, já depois da audiência, no átrio do tribunal, proferiu vários impropérios aos jornalistas que tentavam captar imagens suas.Margarida Cabeleira
Pena suspensa para abusador de crianças

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...