uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Tejo quer ser património mundial

Tejo quer ser património mundial

Congresso vai percorrer cidades ribeirinhas
Edição de 01.03.2006 | Sociedade
A Associação dos Amigos do Tejo pretende apresentar uma candidatura do rio Tejo a património mundial. Esta foi uma das principais ideias saídas na abertura do II Congresso do Tejo, que decorreu na sexta-feira, dia 24, na Quinta Municipal de Subserra. Um barco de transporte de passageiros trouxe os convidados de Lisboa. Esta sessão marcou o início dos trabalhos preparatórios para o encontro final que se vai realizar em Outubro em Lisboa. A iniciativa é promovida pela Associação dos Amigos do Tejo (AAT) em colaboração com a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira.Na abertura do II Congresso do Tejo a autarca vilafranquense defendeu ser altura “de todos os responsáveis políticos, associados aos agentes económicos, terem uma atitude de razoabilidade”, na recuperação do valor ambiental do rio e dos mouchões, um “valioso património”. Para Maria da Luz Rosinha, a hora é de “recuperar e valorizar os recursos naturais, culturais e económicos” do Tejo, reunindo assim as condições a uma candidatura a património da Humanidade.Segundo adiantou, o aproveitamento turístico dos mouchões deve ser uma prioridade e algo a concretizar a breve trecho. Para o mouchão da Póvoa existe um projecto de exploração turística que partiu de um promotor privado. O projecto prevê a instalação no local de 140 unidades turísticas de alojamento isoladas (em casas de madeira), 50 unidades de alojamento geminadas/bungalows, um campo de golfe ecológico, uma piscina com água do rio, seis postos de observação de aves, boxes para cavalos e espaços de diversão para crianças. O vice-presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo, Moura de Campos, participou na abertura do Congresso e adiantou que a recuperação das zonas ribeirinhas que se estendem entre Cascais e Vila Franca de Xira irá merecer o apoio de um novo Quadro Comunitário de Apoio (QCA). O quadro de apoios para o período entre 2007 e 2013 dedicará uma fatia dos dinheiros europeus ao Tejo, em vertentes como o turismo, a investigação e a formação. “A zona ribeirinha entre Cascais e Vila Franca de Xira será uma prioridade”, mencionou Moura de Campos, garantindo igualmente que o rio “continuará a ser um importante eixo de desenvolvimento da região”. O anterior QCA proporcionou investimentos na ordem dos 70 milhões de euros, utilizados para requalificar as margens do rio, e iniciar projectos de combate à poluição.A Governadora Civil, Adelaide Rocha pronunciou-se a favor de uma estratégia que “transforme o Tejo numa mais-valia estratégica com base numa boa gestão de recursos”. O objectivo, acrescentou é “ganhar o desafio do desenvolvimento sustentável da economia”.Carlos Salgado, presidente da AAT, referiu o actual estado do Tejo, hoje um rio “pobre, inquinado e delapidado”. Além do assoreamento, o crescimento populacional das áreas urbanas que são atravessadas pelo Tejo, é outro dos principais problemas. Para Carlos Salgado, o caminho para um Tejo mais saudável deve passar por conciliar o aproveitamento turístico com a agricultura, afirmando-se o Congresso do Tejo como o local ideal para fazer chegar às populações os problemas que afectam o rio.Outros dos projectos da iniciativa são a criação de uma Bolsa de Turismo do Tejo e de uma Provedoria do Tejo.Esta segunda edição do Congresso do Tejo (a primeira realizou-se em 1987) irá terminar em Outubro, em Lisboa, realizando-se até lá reuniões, encontros e investigação científica sobre o tema, em várias das localidades servidas pelo rio. O Congresso do Tejo volta a passar pelo concelho de Vila Franca de Xira em Maio, com uma nova sessão preparatória. As iniciativas vão ainda passar pela Moita, Lisboa, Santarém, Abrantes, entre outras localidades. Sara Cardoso
Tejo quer ser património mundial

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...