uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Generoso Serafim das Neves

Generoso Serafim das Neves

Edição de 15.03.2006 | E-mails do outro mundo
No teu último e-mail falaste do Tejo, esse rio de areia e trampa, e veio-me logo à lembrança o nome do seu maior defensor, Jorge Lacão, pois claro. O tal que prometeu tornar o rio navegável no espaço de uma geração. Como ainda há muito tempo até que a geração do prometedor chegue ao fim e porque com a sua passagem de deputado a secretário de Estado as prioridades se alteraram, aí temos o Lacão agarrado à prostituição.Quem for às meninas e não se assegurar previamente que elas não estão a ser exploradas por chulos ou máfias, tunga, vai-se tramar. É esta a nova cruzada de Jorge Lacão. A minha dúvida é saber onde é que ela se encaixa na política de desburocratização defendida pelo Governo e no contexto do choque tecnológico.Calculo que José Sócrates já esteja com os cabelos em pé. Tu já imaginaste a burocracia que se vai instalar?! É de tirar a vontade a qualquer um. Um cidadão mais necessitado que aborde uma profissional vai passar a exigir-lhe um certificado que ateste que a mesma não está a ser traficada e que actua no pleno uso dos seus direitos sexuais. Hora e meia perdida a tratar da papelada e a reconhecer a assinatura num notário. O entusiasmo começa a murchar, certamente. E não só. Munido da declaração, da quantia a pagar e da caixa de preservativos poderia pensar-se que o necessitado eleitor tinha o caminho livre mas ainda há outras formalidades a cumprir caso se trate de uma partenaire estrangeira.Consciente das suas obrigações legais o cidadão necessitado deve verificar o passaporte da senhora para se certificar que está em dia e que a mesma está devidamente autorizada a dar umas voltinhas em Portugal. Aqui a ideia Lacão até poderá funcionar a favor da contenção orçamental uma vez que, sendo o comum cidadão a assegurar-se que tudo está legal, o Governo não terá que aumentar o número de elementos do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.Umas horas mais tarde, com a declaração da senhora na carteira, a caixa dos preservativos no bolso e a certeza que o passaporte dela não é falso o cidadão começa a tentar lembrar-se do motivo porque anda de um lado para o outro com uma fulana que não conhece de lado nenhum. É fácil imaginar a discussão que se vai seguir. E lá estamos nós perante um problema de consumo. O cliente encomendou e recusa-se a consumir alegando que o atraso no fornecimento da mercadoria o fez desistir da encomenda. Lá vai ser chamada a DECO, o Instituto do Consumidor, etc, etc…Quando o Jorge Lacão veio com a regularização e navegabilidade do Tejo ninguém o levou a sério. Agora com esta da prostituição acontece o mesmo. Mas se assim é porque é que ele e outros como ele insistem na difusão de disparates? Será para fazer concorrência aos malucos do riso? E porque é que os cidadãos têm que ser responsabilizados pelo consumo de um bem (no caso um bem bom) que está a ser traficado? Será que também vamos ser responsabilizados quando descobrirem que o bife que comemos no restaurante entrou ilegalmente em Portugal??!!Caro Serafim das Neves, aqui tenho que dar razão ao presidente da Câmara de Alpiarça quando ele afirma que a culpa é sempre da Comunicação Social. Na verdade se os jornalistas não andassem sempre a interrogar-se sobre as actividades dos políticos estes poderiam dedicar-se com afinco àquilo que é a verdadeira vocação de todos nós. Não fazer nada. Olha, antes das cordiais despedidas deixo um reparo. Fiquei desapontado com a foto que ilustrava o teu último e-mail. Eu bem sei que a dedicaste às mulheres, mas caraças, tanto gajo junto e sem roupa?! Já não te basta o triste espectáculo de barrigas e cus peludos que temos que gramar quando chegamos aos balneários depois daquelas nossas jogatanas de futebol??!! Tem piedade, Serafim!!!Um bacalhau devidamente legal Manuel Serra d’Aire
Generoso Serafim das Neves

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...