uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Ninguém se conseguiu livrar do peso do jogo

Edição de 12.04.2006 | Desporto
No final do jogo, ainda com os nervos à flor da pele, nem o treinador do Cartaxo, Rui Santos, nem o do Fazendense, Manuel Francisco, estavam satisfeitos com o resultado. Mas mesmo assim o técnico visitante considerou que face às contingências do jogo, “o empate acabou por ser um mal menor”.Manuel Francisco, garantiu que preparou a sua equipa para vir vencer o jogo ao Cartaxo, mas a partir da expulsão do Nelson Rato teve que readaptar a estratégia e passar a jogar de outra forma. O técnico do Fazendense lamentou a expulsão do seu jogador, e estranha que de há três ou quatro jogos a esta parte, a sua equipa não consiga terminar com os onze elementos em campo. “É uma situação estranha, porque somos uma equipa que disputa o jogo, mas de uma forma correcta”, disse.O treinador do Fazendense realçou ainda a forma com os seus jogadores se bateram, frente a um adversário forte, que jogava no seu terreno e que muito cedo ficou a jogar com mais um jogador. “Os meus jogadores mostraram aqui no Cartaxo todo o seu valor. Há poucas palavras para exprimir todo o meu respeito para com eles”. Manuel Francisco ficou ainda convicto de que nada ainda está resolvido. “Vai haver campeonato até ao fim”.Por sua vez Rui Santos referiu que a haver um vencedor só poderia ser o Cartaxo. “Fomos a única equipa que criou perigo para a baliza adversária”. No entanto não deixou de aceitar que até à expulsão do jogador do Fazendense o equilíbrio foi a nota dominante. “Assumimos o jogo, mas mais uma vez se provou que não é fácil jogar contra uma equipa reduzida a dez elementos. O Fazendense tem bons jogadores, recuou, soube tapar bem os caminhos para a sua baliza, e nós não soubemos dar a profundidade e a largura ao jogo que pretendíamos, porque o Fazendense, numa situação compreensível fechou-se bem lá atrás, mas também não tivemos a estrelinha da sorte”, referiu Rui Santos. O técnico do Cartaxo é também da opinião que vai haver campeonato até ao fim. “Não atingimos o primeiro objectivo que era ficar com cinco pontos de vantagem, mas conseguimos o segundo que é o de continuarmos na liderança”, garantiu.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...