uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Crescer entre paredes de carinho

Associação de Apoio à Criança da Póvoa de Santa Iria apoia 540 crianças

Um campo de basquetebol e um novo espaço verde são as novas ofertas da Associação Popular de Apoio à Criança da Póvoa de Santa Iria (APAC) que apoia 540 utentes e tem uma lista de espera de 400 crianças.

Edição de 12.04.2006 | Sociedade
As mais de 500 crianças que frequentam a Associação Popular de Apoio à Criança da Póvoa de Santa Iria (APAC) têm à sua disposição um novo campo de basquetebol e uma área de espaços verdes requalificada. Duas mais valias para um espaço que há 31 anos procura dar resposta às necessidades da freguesia mais jovem do concelho de Vila Franca de Xira.Ruben Tavares tem sete anos e é um adepto fervoroso de basquetebol. Por isso não perdeu tempo e já experimentou o novo campo da APAC. É aqui que conta passar a maior parte do tempo do ATL, “se me deixarem”, diz.A fazer companhia ao Ruben estará, certamente, o Ivan Silva. O jovem de nove anos está radiante com o novo campo, já que o que tinham anteriormente “não dava para jogar tão bem”. Dividido entre a paixão pelo futebol e basquetebol, Ivan diz, no entanto, que nos próximos tempos vai “jogar mais basquetebol, porque o campo é novo”. Rita Vieira, também de nove anos, gosta “um pouco” de basquetebol, mas não sabe jogar e também diz que não está muito interessada em aprender, mesmo com o campo novo. Para ela e para as amigas, a Ângela e a Mariana, o “comboio” e o escorrega que foram colocados nos espaços verdes arranjados são muito mais atractivos. Os espaços recém inaugurados integram a área de cerca de três hectares da APAC, na Quinta da Piedade. Na origem da instituição, como de muitas outras associações do género, esteve o movimento de saída do lar das mulheres, para trabalharem, a partir de 1974. As instalações actuais da instituição compreendem amplos espaços de recreio, onde abundam as oliveiras, as primeiras habitantes daquele terreno, e várias salas que vão desde o berçário, creche e pré-escolar até ao ATL, acolhendo, no total, 540 crianças. A APAC tem, ainda, uma delegação nos Caniços onde recebe mais 49 crianças. Em relação ao número de funcionários, a associação conta actualmente com 83 trabalhadores efectivos, para além dos colaboradores.Umas das particularidades da associação são os pavilhões de madeira, onde estão instaladas as diferentes salas, que a APAC insiste em manter por serem mais acolhedores. Segundo o presidente da associação, José Manuel Casaleiro, “há carinho nas paredes” dos pavilhões. O responsável destaca a crescente procura do ATL, num movimento contrário ao que se vem verificando na Área Metropolitana de Lisboa. Entre as ofertas da valência, José Manuel Casaleiro destaca as aulas de informática, de inglês e de música. Segundo refere, estas “estão a ser um êxito” com quase 100 crianças inscritas. Neste momento, a APAC tem 400 crianças em lista de espera, o que o presidente justifica com o facto de a associação dar “uma resposta simpática” às necessidades da comunidade envolvente. José Manuel Casaleiro sublinha que nos últimos anos a direcção tem vindo a fazer um esforço para revitalizar a instituição e considera que esse objectivo tem vindo a ser alcançado. José Manuel Casaleiro tem sido um dos protagonistas dessa renovação e expansão. Na instituição desde 1982, tem-se mantido sempre na direcção, ocupando diversos cargos. Aos 55 anos, reformado, dedica todos os seus dias à APAC, nunca menos de oito horas por dia. José Manuel Casaleiro vê a associação como “uma filha adoptiva”. Projectos a concretizarA APAC tem já novos projectos em vista, sendo que a requalificação do actual campo de futebol será o primeiro a empreender. Este foi, aliás, um compromisso assumido pela presidente da Câmara Municipal de Vila Franca, Maria da Luz Rosinha, na cerimónia simbólica de inauguração do campo de basquetebol e dos espaços verdes, no passado dia 7 de Abril. Sublinhando não ter a pretensão de resolver todos os problemas da Póvoa em termos de carência de infraestruturas do género, José Manuel Casaleiro defende, contudo, que a APAC terá que crescer. O terreno já existe, junto às novas instalações da Cercipóvoa, e a direcção vai agora estudar soluções para o local para, eventualmente, apresentar uma candidatura no âmbito do Programa de Alargamento da Rede Nacional de Equipamentos Sociais do governo.Para a concretização dos novos projectos, o responsável pela instituição frisa a importância do crescimento sustentado, política que tem vindo a seguir nos últimos anos. Foi assim que a APAC conseguiu terminar o ano de 2005 com um saldo positivo de 62 mil euros e a dívida à banca controlada.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...