uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Marco Figueiredo

Marco Figueiredo

27 anos, torneiro mecânico, Almeirim

“O 25 de Abril para mim não é apenas mais um feriado. Foi um momento muito importante da nossa história que actualmente não é muito valorizado. Hoje confunde-se liberdade com falta de respeito. E o mais estranho é que às vezes são as pessoas que fizeram o 25 de Abril que esquecem que a liberdade delas acaba onde começa a dos outros.”

Edição de 19.04.2006 | Agora falo eu
Costuma cumprir a tradição de não comer carne na sexta-feira santa?Não, nem me lembro disso.Não é católico?Nunca andei na catequese e acho que nunca fui à missa. Quando era criança fui baptizado à pressa numa igreja de outra religião da qual nem me lembro o nome. Na altura o meu pai estava a casar pela segunda vez e como não podia fazer outra cerimónia católica, acabou por fazer o casamento nessa tal igreja e na mesma altura baptizou-me a mim e aos meus dois irmãos. Alguma vez se inscreveu num concurso de televisão?Já enviei cupões para vários concursos, mas até agora nunca fui chamado. O que me leva a concorrer são os prémios, mas também o fascínio pelo mundo da televisão. Gostava de ver como é um estúdio, como são gravados os programas, enfim… os bastidores. Quando convida uns amigos para jantar, serve vinhos do Ribatejo?Sirvo tinto e cheio (risos). Não tenho a preocupação de escolher um vinho desta região mas em comprar um que tenha uma boa relação preço-qualidade. Depois nos supermercados não há muitos vinhos do Ribatejo, comparando com os de outras regiões como o Alentejo. Se calhar o problema mesmo dos nossos vinhos é a falta de promoção.O que é o 25 de Abril?O 25 de Abril para mim não é apenas mais um feriado. Foi um momento muito importante da nossa história que actualmente não é muito valorizado. Hoje confunde-se liberdade com falta de respeito. E o mais estranho é que às vezes são as pessoas que fizeram o 25 de Abril que esquecem que a liberdade delas acaba onde começa a dos outros. O que é que o deixa nervoso?Uma entrevista como esta, por exemplo (risos). Já sou um bocado nervoso por natureza. Mas o que me deixa mesmo com os nervos em franja são as contas da água, da luz, as prestações… Às vezes até me deixam em pânico.Para além disso a falta de compreensão também me deixa extremamente nervoso. Perco a paciência quando explico uma coisa uma vez, duas, três e a outra pessoa continua sem perceber. Em casa quem é que faz o jantar?Às vezes tenho que alinhar e fazer eu o jantar porque se as tarefas forem divididas custam menos. Agora tenho sido eu todos os dias porque a minha mulher teve uma criança há pouco tempo. Como aprendeu a cozinhar?Em revistas e fui inventando e descobrindo. Mas mais do que fazer refeições a minha especialidade são os petiscos. Alguma vez foi a uma Assembleia Municipal?Já tive curiosidade em ver como funciona uma Assembleia Municipal e também pensei em assistir a uma sessão da Assembleia da República. Mas nunca sei quando são as sessões da Assembleia Municipal de Almeirim. O poder político não fomenta muito a participação dos munícipes. Tem algum mealheiro?Não consigo juntar dinheiro num mealheiro. Já tive um de lata mas esqueci-me de esconder os abre-latas. Tive um de barro, que caiu ao chão. Com a vida cara como está só se fizermos mealheiros de moedas de um cêntimo.
Marco Figueiredo

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...