uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Desporto é muito mais que competição

Políticas desportivas municipais debatidas em Santarém

A Câmara de Santarém vai realizar um inquérito geral entre a população do concelho para sabe das suas preferências e hábitos em matéria de prática desportiva.

Edição de 19.04.2006 | Desporto
Dentro de cerca de dois meses deve arrancar em todo o concelho de Santarém um inquérito geral à população para saber dos seus anseios, preferências no que respeita à área desportiva.Esta é, segundo o vereador com o pelouro do desporto na autarquia, Ramiro Matos (PSD), a forma mais correcta de saber em que áreas apostar. Durante a realização, no dia 8 deste mês, do seminário sobre “ s políticas desportivas municipais”, o autarca reconheceu a necessidade de se aumentar o número de praticantes desportivos.Segundo explicou o vereador “seriam bem vindos programas governamentais de fomento e incentivo à prática desportiva, mais que os do apoio à construção de infra-estruturas”.A título de exemplo dessa aposta, no próximo ano lectivo, revelou Ramiro Matos, todas as escolas de primeiro ciclo do concelho vão contar com aulas de expressão físico-motora.Para estender o leque de oferta desportiva está nos planos da autarquia construir mais relvados sintéticos em alguns campos do concelho, criar mais polidesportivos descobertos nas freguesias e construir uma pista de atletismo em condições.Ao incentivo à prática desportiva a autarquia pretende aliar uma política de marketing desportivo que leve grandes eventos desportivos à cidade e ao concelho. Bem como aplicar uma política de atribuição de subsídios em que a autarquia seja o motor e incentivo e na qual o clube não se acomode com um orçamento feito com base em dinheiros camarários. Ramiro Matos recordou, no entanto, deficiências com que se deparou na autarquia. Como a falta de um levantamento rigoroso das infra-estruturas desportivas, da existência de um regulamento de apoio ao associativismo que não foi aprovado em câmara e assembleia municipal. Ou, a título de exemplo, a existência de apenas um técnico superior de desporto para 65 mil habitantes.O director do complexo desportivo do Jamor e docente da Escola Superior de Desporto de Rio Maio, Albino Maria, acentuou, na sua palestra, o facto de desporto não se limitar à vertente competitiva.Albino Maria realçou componentes como a preservação da condição física e psíquica e das relações sociais como mais importantes numa verdadeira prática desportiva.“Tem-se colocado dinheiro em cima dos problemas e anos volvidos permanecem os problemas e o dinheiro já lá vai”, ironizou Albino Maria em relação à subsidiação do desporto de competição.O docente na área do desporto recordou que também é importante haver equidade na taxação dos serviços desportivos para que as infra-estruturas sejam rentáveis. “Essas taxas têm sido mais definidas por critérios políticos do que reais. Por isso, as instalações têm sido deficitárias”, adiantou.Albino Maria defendeu que a actividade desportiva deve ser levada a toda a população, permitindo que as infra-estruturas desportivas escolares funcionem no pós-horário escolar. O técnico recordou que a taxa de prática desportiva em Portugal não passa de 23 por cento e que existe apenas um clube por cada 1.150 habitantes. “Os clubes não precisam de mais sócios mas sim de mais praticantes”, acrescentou.O seminário contou ainda com as palestras da directora do departamento sócio-cultural da Câmara de Mafra, Paula Cordas, do docente da ESDRM, Abel Santos e do professor da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, José Manuel Meirim.Ricardo Carreira

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...