uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

As horas de tensão do cerco do Carmo

Edição de 26.04.2006 | Sociedade
Salgueiro Maia recorda, num depoimento no livro “Capitão de Abril, Histórias da Guerra do Ultramar e do 25 de Abril”, publicado em 1997: “A marcha para o Carmo foi extraordinária pelo apoio popular que agregou, que contribuiu bastante para que o Carmo perdesse a vontade de resistir. Nunca tinha visto o povo a manifestar-se assim.”No Carmo, ao chegar, houve desde senhoras a abrir portas e janelas até ao simples espectador que enrouquecia a cantar o hino nacional.” Seguiram-se horas de muita tensão. “Cercado” por uma força da GNR e com forças da PSP a rondar, Salgueiro Maia dera ordens aos seus homens para atirarem apenas em resposta a “tiro directo”, sem responder sequer a “tiros para o ar”. Maia fala com o oficial da GNR, que recusa render-se, mas promete não disparar contra os soldados da EPC.De volta ao Largo do Carmo, rodeado por uma multidão, Salgueiro Maia grita ultimatos por um megafone. Seguem-se tiros de metralhadora para as paredes do quartel - “o fogo era apenas para fazer barulho” -, e, por fim, a rendição.É Maia que entra no quartel da GNR. Tenta a rendição dos sitiados e é levado à presença de Marcelo Caetano, que o recebe sozinho numa sala. “Já sei que já não governo. Só espero que me tratem com a dignidade com que sempre vivi”, são as palavras de Caetano recordadas por Salgueiro Maia na entrevista.Salgueiro Maia exige-lhe a rendição, mas Marcelo pediu a presença de um oficial general para que o poder não caísse na rua. O escolhido foi António de Spínola, primeiro Presidente da República após o golpe e autor de “Portugal e o Futuro”, publicado em 1973, e que tinha uma ideia em comum com jovens oficiais: uma solução política para a guerra colonial.A saída de Caetano e de vários dos seus ministros do quartel, dentro da chaimite “Bula”, descreve o jornalista Adelino Gomes, que assistiu ao cerco do Carmo, “provocou uma explosão de alegria nos milhares” presentes.“Foi aqui que se deu a vitória da revolução”, sintetiza Salgueiro Maia, por muitos considerado “herói romântico” do 25 de Abril, que morreu em 1992, vítima de cancro, sem nunca ter aceite qualquer cargo político.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...