uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Pancadaria na discoteca

Pancadaria na discoteca

Ajuste de contas pode estar na origem do incidente ocorrido na Golegã

Um ajuste de contas é apontado como a causa para a sessão de pancadaria registada na danceteria Santo António, na Golegã.

Edição de 10.05.2006 | Sociedade
“Parecia o faroeste” diz um dos clientes da danceteria Santo António, na Golegã, que presenciou a cena de pancadaria ali ocorrida na madrugada de 2 de Maio. Vários homens encapuçados irromperam pela discoteca, lançaram granadas de fumo e desataram a bater em vários clientes. Clientes “seleccionados”, o que leva a GNR a presumir ter-se tratado de um ajuste de contas.Algumas horas antes as vítimas tinham-se apresentado à porta do bar dançante mas o segurança barrou-lhes a entrada. Insatisfeitos, os jovens terão começado a protestar alto e a dar murros na porta. O barulho era tanto que um amigo do proprietário da discoteca saiu à rua para ver o que se passava. E face aos protestos dos jovens acabou por os deixar entrar, à revelia do segurança.Por volta da 01h30 da madrugada, quando todos pensavam que o incidente estava sanado, vários homens encapuzados entraram no espaço. Lançaram granadas de fumo e aproveitaram a confusão gerada para bater, a soco e pontapé, nos jovens a quem o segurança tinha barrado a entrada.Quando os elementos do posto da GNR da Golegã chegaram ao local, por volta das duas da manhã, os encapuzados já se tinham evaporado. Apenas restavam as vítimas, duas das quais tiveram de receber tratamento hospitalar em Torres Novas.Na GNR foram apresentadas formalmente três queixas – duas por danos à integridade física, dos agredidos que precisaram de assistência médica, e uma por ameaças. Esta última do amigo do proprietário da danceteria, que se queixou à guarda de ter recebido ameaças dos jovens agredidos.A GNR prossegue agora as investigações ao caso, tendo comunicado o incidente ao Ministério Público, para apuramento de responsabilidades.“Mesmo que não houvesse qualquer queixa o caso seria remetido ao Ministério Público” refere o major Pereira, da GNR de Santarém, que confirmou a O MIRANTE os acontecimentos ocorridos na discoteca da Golegã.Quem presenciou a cena diz que os encapuzados foram chamados pelo segurança do bar. O responsável pelas relações públicas da GNR admite que das investigações já realizadas tudo leva a crer ter-se tratado de um ajuste de contas, com o envolvimento do segurança.Uma espécie de retaliação pelo facto de a sua autoridade ter sido posta em causa e de os jovens terem acabado por entrar apesar de ele lhes ter barrado a passagem. Os seguranças da danceteria Santo António são elementos da Academia Nacional de Segurança Privada, uma empresa sedeada em Tavira, Algarve, que presta vários serviços a empresas da região de Santarém.João Rodrigues, um dos proprietários da discoteca, não quis prestar ao nosso jornal qualquer esclarecimento sobre o incidente.Margarida Cabeleira
Pancadaria na discoteca

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...