uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Risco geológico põe em causa urbanização

Risco geológico põe em causa urbanização

Encosta está a ruir em Monte Gordo, Vila Franca de Xira

A encosta de Monte Gordo, Vila Franca de Xira, continua a ceder e a instabilidade compromete uma urbanização autorizada há cinco anos. Os arruamentos e algumas infraestruturas estão feitos, mas a obra pode ficar por aqui.

Edição de 10.05.2006 | Sociedade
O risco geológico da encosta do Monte Gordo, em Vila Franca de Xira, está a comprometer uma nova urbanização prevista para o local. Os arruamentos que foram feitos há cerca de quatro anos desestabilizaram a encosta que tem vindo a ruir.A urbanização está a cargo da promotora imobiliária Oliveirimo que tem licença de construção datada de 2000. Para abrir os arruamentos e fazer as canalizações para os esgotos o construtor teve que escavar a encosta o que tornou ainda mais instável uma zona já de risco. Na altura foi construído um muro com cerca de dois metros com o objectivo de suster a encosta, mas sem efeito, já que têm vindo a cair calhaus e terra para as ruas já abertas. De acordo com um morador da zona, aquando da construção dos arruamentos o construtor deparou-se com diversas dificuldades. Segundo refere, parte do terreno abateu quando estavam a fazer as ligações para os esgotos, o que para o morador representa “uma prova da instabilidade da zona”.O morador adianta que “enquanto cidadão incomoda-me que a nossa autarquia licencia urbanizações onde não se deve construir. É impensável fazer ali uma urbanização”. Defende ainda que “não é preciso saber muito de construção para ver que aquilo não está bem”. O MIRANTE tentou contactar a empresa promotora com o propósito de saber se existem estudos geológicos que validem a urbanização, mas não obtivemos uma resposta até ao fecho da edição.Contactada, a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira garantiu que “qualquer pretensão para a zona tem que ser compatível com o Plano Director Municipal, as restrições e servidões de interesse público”. A autarquia referiu ainda que terá que ter em atenção as Normas da Carta de Aptidão à Construção, que define as zonas geologicamente mais vulneráveis. Já anteriormente a encosta de Monte Gordo deu provas da instabilidade da zona. Há cerca de quatro anos uma derrocada danificou algumas caves dos prédios na Quinta de Santo Amaro. A câmara municipal teve que fazer a estabilização do talude, que teve um custo de cerca de um milhão de euros. Desde então o talude está ser monitorizado pela Geotest para, segundo a técnica Patrícia Espada, “ acompanhar possíveis movimentos dos terrenos”. A técnica adianta que para já o talude está estável, não apresentando riscos para os moradores. Questionada sobre os riscos da construção na encosta, Patrícia Espada refere que a encosta “é muito heterogénea” e, por isso, “cada caso é um caso”. Sara Cardoso
Risco geológico põe em causa urbanização

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...