uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
As cinzas do Grupo de Teatro Cegada

As cinzas do Grupo de Teatro Cegada

Fogo destruiu 20 anos de sonhos em Alverca

Vinte minutos chegaram para reduzir a cinzas os sonhos e as conquistas de 20 anos de vida do Grupo de Teatro Cegada. Um curto circuito destruiu o auditório inaugurado em Outubro.

Edição de 24.05.2006 | Sociedade
Vinte minutos bastaram para que o espólio de uma vida fosse convertido em cinzas. Um incêndio que deflagrou na madrugada de quinta-feira, 18 de Maio, no auditório do Grupo de Teatro Cegada, em Alverca, destruiu por completo o património de 20 anos de sonhos.“Só se aproveitam as bancadas e parte do palco”, comenta um dos dinamizadores do grupo enquanto retira mais uma peça negra do amontoado de cinzas.A Polícia Judiciária investigou e concluiu que a causa do incêndio foi um curto-circuito. A natureza dos materiais fez com que o fogo avançasse rapidamente.Na Praceta 25 de Abril, há panos estendidos, bonecos, acessórios, dois computadores e vários holofotes derretidos pelo calor. Objectos que ajudaram a construir os cenários e a dar vida e luz aos personagens. Como a bicicleta soldada a um carrinho de supermercado que está queimada das chamas. Ali perto, um ramo de flores vermelhas com um pano preto onde se lê o nome do grupo pode indiciar, para os mais pessimistas, a morte do Cegada, mas os que lhe deram vida nos últimos 20 anos não acreditam.“Havemos de renascer das cinzas”, adianta uma amiga do grupo enquanto conforta os restantes elementos.José Teles, director do Cegada disse a O MIRANTE que já estão a reconstruir o cenário para voltarem à cena no sábado em Torres Novas.O grupo cancelou a sua participação na CulturAlverca agendada para domingo. “Tínhamos preparado uma exposição sobre os 20 anos do Cegada. Agora não há nada para mostrar”, conclui o dirigente. O grupo vai continuar a apoiar a iniciativa “Aprendizes de Fingir”, disponibilizando apenas os seus técnicos. Todo o equipamento de som e luz ficou destruído. Tal como o arquivo do grupo com as memórias de duas décadas. “Foi-se a história e os sonhos construídos”, lamenta um dos elementos do grupo.José Teles acrescenta que o valor sentimental e artístico nunca será quantificado. A pronta intervenção dos Bombeiros Voluntários de Alverca evitou a propagação do fogo aos espaços contíguos onde funciona a Associação de Veteranos de Guerra e o Arsenal Desportivo de Alverca. Mesmo assim, há algumas marcas nas associações vizinhas.O auditório do Cegada, situado no edifício da antiga sede da Sociedade Filarmónica Recreio Alverquense (SFRA), foi cedido pela Câmara Municipal de Vila Franca de Xira após 20 anos com a casa às costas. Desde um espaço pertencente à Junta de Freguesia de Alverca, no Choupal, passando pelo Auditório Municipal Scala e por outro espaço da junta na Quinta da Vala, até a uma sala de aula na Escola Primária n.º 2, onde, além de se arrecadarem cenários, se apresentavam espectáculos. A inauguração do auditório do Cegada foi no dia 15 de Outubro e foi um momento de “grande felicidade” Sete meses depois chegou a desilusão. Agora o grupo quer renascer das cinzas e dar uma nova vida ao seu espaço.Nelson Silva Lopes
As cinzas do Grupo de Teatro Cegada

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...