uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Benavente, Coruche e Ourém podem ficar sem urgências nocturnas

Benavente, Coruche e Ourém podem ficar sem urgências nocturnas

Estudo sobre serviços de atendimento permanente (SAP) está a ser ultimado

Na zona do Sorraia, o Governo ainda não decidiu se deixa ficar apenas a de Coruche, acabando com a urgência médica em Benavente durante 24 horas diárias.

Edição de 24.05.2006 | Sociedade
Se o ministro da Saúde aprovar o estudo, que está a ser ultimado, sobre o encerramento de dezenas de serviços de atendimento permanente (SAP), Benavente, Coruche e Ourém podem ficar sem urgência médica 24 horas.Correia de Campos disse a semana passada na comissão parlamentar de saúde que há serviços de atendimento permanente que vão fechar em todo o país, sendo substituídos por serviços de urgência básica (SUB). O principal critério para o encerramento baseia-se nas distâncias existentes entre o actual serviço e a urgência médico-cirúrgica mais próxima. E há factores que podem funcionar como “desempate”, como o número de utentes atendidos por noite.Os SAP de Benavente, Coruche e Ourém estão referenciados no estudo para serem encerrados. E se nos dois primeiros casos ainda há hipótese de uma solução intermédia, no caso de Ourém a decisão de encerramento parece ser consensual. Se o ministro aprovar o estudo, a cidade ficará sem urgência 24 horas por dia.O coordenador da Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo confirma o diagnóstico. Mas António Gomes Branco ressalva que o estudo ainda não está aprovado pelo Governo e que pode por isso sofrer alterações.“Ourém não tem actualmente uma distância de tempo em relação à urgência médico-cirúrgica mais próxima, neste caso o hospital de Leiria, que justifique a manutenção de um SAP”, referiu a O MIRANTE António Gomes Branco. O serviço de atendimento permanente da cidade regista uma média de nove doentes por noite, ligeiramente abaixo da média – 10 utentes atendidos por noite – de referência do estudo.Mas, como diz António Branco, o número de utente atendidos não é o critério principal. Se o fosse, o SAP de Coruche fecharia com toda a certeza, uma vez que dos três existentes no distrito de Santarém é o que regista menor número de atendimentos.O encerramento do serviço de Coruche é no entanto o que mais dúvidas levanta aos executores do estudo. Porque atende doentes que residem a mais de uma hora de Santarém, a urgência médico-cirúrgica mais próxima.E o encerramento do SAP de Benavente está dependente da decisão que for tomada em relação a Coruche. Há alguns anos pôs-se a hipótese de se construir uma unidade de atendimento permanente intermédia, que viesse a abranger os utentes dos dois concelhos. Hoje o coordenador da ARS de Lisboa e Vale do Tejo diz subsistirem dúvidas sobre as vantagens desse projecto.Porque a melhoria das acessibilidades “colocou” Benavente mais perto, em termos de distância temporal, da urgência hospitalar de Vila Franca de Xira. “Temos dúvidas se no caso do Sorraia se mantêm as duas unidades abertas. E a manter-se uma, será sempre a de Coruche”, refere Gomes Branco.Margarida Cabeleira
Benavente, Coruche e Ourém podem ficar sem urgências nocturnas

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...