uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Colocar um clube do distrito na Primeira Liga em quatro épocas

Herculano Gonçalves lidera lista aos órgãos sociais da Associação de Futebol de Santarém

O ex-deputado e ex-presidente do Atlético Clube Alcanenense, Herculano Gonçalves, é candidato a presidente da Associação de Futebol de Santarém e a sua grande aposta é levar um clube do distrito até à primeira liga, num prazo máximo de quatro épocas.

Edição de 31.05.2006 | Desporto
O nome da Associação de Futebol de Santarém (AFS) vai mais longe se tiver um clube na Primeira Liga. A afirmação é de Herculano Gonçalves, candidato a presidente do organismo que tutela o futebol no distrito e que, caso seja eleito, tem como grande objectivo levar um clube da região até ao escalão maior do futebol nacional.“Santarém sem um clube na Primeira Liga não será muito no futebol nacional. É um incentivo para os jovens terem alguns ídolos e terem uma equipa na Primeira Liga. A associação tem um papel importante e tem de fazer um acompanhamento a todos os níveis e ajudar os clubes que estão melhor colocados para essa situação. Estou a falar de apoios financeiros e de todo o nível que estiverem ao alcance da Associação de Futebol de Santarém e que têm de ser canalizados para aquele clube”, afirmou o candidato durante a apresentação dos nomes de topo que farão parte da sua lista.Herculano Gonçalves acredita que com um clube na Primeira Liga, a associação consegue mais respeito da Federação Portuguesa de Futebol e terá um peso bem diferente nas instâncias superiores.Questionado sobre qual o clube a apoiar, o candidato diz que não cabe à direcção da associação escolher ninguém. O que vai fazer é apoiar quem tenha melhores possibilidades de atingir esse objectivo mas remete uma decisão para uma assembleia-geral de clubes. “Se isto for explicado às pessoas olhos nos olhos, não haverá nenhum clube que não aceite o que estamos a propor”, rematou Herculano Gonçalves.Além de levar um clube até à Primeira Liga, o candidato a substituir Rui Manhoso, que dirige os destinos da associação desde 1987, há 19 anos, tem como grandes objectivos do seu mandato credibilizar o futebol no distrito, apoiar a formação das camadas jovens, sensibilizar as empresas da região para contribuírem para os clubes, realizar acções de sensibilização junto do público para levar mais gente aos estádios e captar e formar novos árbitros, entre outros.Herculano Gonçalves considera que para prestar um bom serviço aos seus associados a AFS tem de mudar os seus comportamentos, a sua forma de gerir, a maneira de estar com a sociedade e precisa igualmente de mudar as pessoas que estão à frente dos vários órgãos que a compõem.O ex-deputado e ainda presidente da distrital do CDS-PP garante que a decisão de se candidatar foi tomada depois do assunto ter sido bem ponderado e revela que a candidatura já está a ser preparada há bastante tempo. Período durante o qual um grande número de pessoas, incluindo os candidatos apresentados, analisou, estudou e debateu o futebol no distrito de Santarém.Recorde-se que a primeira entrevista em que Herculano Gonçalves assumiu a sua disponibilidade para liderar uma lista aos órgãos sociais da AFS foi dada a O MIRANTE a 6 de Junho 2002, já lá vão quatro anos.Diálogo com os clubesApresentados os principais nomes que compõem a lista, Herculano Gonçalves quer agora continuar o diálogo com os clubes. “Já falámos com muitos clubes mas vamos falar com todos, independentemente da dimensão de cada um”, garante o candidato que revela que para ele todos os clubes são iguais, independentemente do número de votos que tenham em assembleia geral.O candidato está também aberto a receber pessoas indicadas pelos clubes mas remete uma decisão final sobre cada nome para os responsáveis de cada órgão. Tudo porque não quer pessoas em cada órgão que não tenham bom relacionamento.Questionado pelo facto de ter na lista várias pessoas com ligação ao CDS-PP, Herculano Gonçalves diz que não escolheu ninguém a pensar no cartão partidário. “Não estou aqui para fazer política. Sei distinguir as coisas”, conclui.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...