uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Mãe de três filhos organiza recolhas de sangue

Paula Frieza dirige secção dos Bombeiros de Benavente
Edição de 31.05.2006 | Sociedade
Tem três filhos, é autarca da Assembleia de Freguesia de Benavente, membro da associação de pais e responsável pelo sector de contabilidade da empresa onde trabalha.Com toda esta actividade Paula Frieza, 33 anos, ainda tem tempo para coordenar a secção de Dadores de Sangue dos Bombeiros Voluntários de Benavente, a vila onde mora, desde 1991.Na altura em que aceitou o convite para ficar à frente da secção Paula Frieza integrava a direcção dos bombeiros. Ainda acumulou as duas actividades, mas a gravidez de gémeos fê-la abrandar o ritmo. Manteve apenas a organização das recolhas, um sonho antigo dos tempos de criança.É ela quem faz os contactos com o Instituto Português de Sangue (IPS) para a organização da recolha, mas no dia marcado para a dádiva conta com a ajuda de outras mulheres que já arrastou para a secção.É com elas que conta para a preparação do almoço da recolha. Os dadores tomam uma refeição ligeira fornecida pelo IPS logo após a dádiva, mas não saem das instalações dos bombeiros sem provar a “sopa grossa” regada com um tinto da terra.Paula Frieza faz questão de servir um caldo reforçado a todos quanto ali aparecem três vezes por ano de forma voluntariosa para dar vida. A sopa é farta em carne e enchidos, não estivéssemos nós no Ribatejo e não fosse a secção dirigida por uma mulher. É uma mãe, autarca e profissional dedicada que admite que só consegue multiplicar-se em múltiplas actividades porque conta com o apoio da família. “Não sou uma super-mulher”, confessa.Os gémeos, que têm agora dois anos, e a filha de oito sentem os bombeiros como a segunda casa. O pai também pertence a essa grande família de voluntários. É operacional da corporação e um companheiro dedicado que cozinha o jantar quando é preciso.Paula Frieza agradece. Sente-se bem a cumprir o dever cívico. Não se vê fechada em casa e espanta-se com a passividade de algumas mulheres que se acomodam à rotina monótona da vida de casa.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...