uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Restaurantes chineses às moscas

Restaurantes chineses às moscas

Empresários orientais fazem contas à vida

Os empresários chineses da restauração vivem dias difíceis para manter as portas abertas. A inspecção da ASAE, realizada em Março, foi o golpe fatal neste negócio da China. As casas fechadas multiplicam-se.

Edição de 25.10.2006 | Sociedade
Já passam das seis horas da tarde em Vila Franca de Xira. A porta do único restaurante chinês da cidade abriu há poucos minutos. Lá dentro, nem um único cliente. Apenas um empregado que sorri timidamente ao colocar uma música ambiente. À hora do jantar o cenário não é muito diferente.O último estabelecimento oriental do ramo da restauração a resistir com as portas abertas na cidade também sente as consequências da inspecção da ASAE – Autoridade de Segurança Alimentar e Económica – realizada em Março deste ano. Os resultados foram amplamente divulgados (ver caixa) e deram um golpe fatal em muitos estabelecimentos similares. A proprietária do restaurante, que recusa ser identificada, admite que a inspecção teve influência, mas está convencida que é a crise económica, que afasta também os clientes dos outros estabelecimentos, a principal responsável.As mesas estão impecavelmente postas na sala, forradas de bambu e berloques e espelhos orientais. Ninguém sabe o que está para lá da porta da cozinha que é apressadamente fechada assim que entra um jornalista na sala. O que se vê é apenas uma janela aberta para a copa. Um homem de ar rude corta pedaços de carne sobre a bancada. Há uma faca pousada sobre a mesa e pouco depois sente-se o barulho da fritura. A jovem proprietária, de casaco de penas, acaba sentada na mesa, dobra-se sobre o telemóvel. Só tira os olhos do visor para responder apressadamente às perguntas. Parece esperar ansiosamente por uma resposta ao anúncio colocado em português na montra do restaurante que ali está instalado há 10 anos: “Trespassa-se”.Em Samora Correia o proprietário do restaurante chinês ainda não colocou o anúncio à porta, mas confidencia que está a pensar seriamente em mudar de ramo. É hora de almoço de um dia da semana e não há ninguém para a refeição.De repente um homem de meia-idade entra na pequena porta branca envidraçada que dá para a rua principal da freguesia. “Olha, um cliente”, diz espantado o empresário. O português senta-se sozinho numa mesa próxima da cozinha e pede o 118. É cliente habitual. Não lhe causa confusão a inspecção realizada aos restaurantes chineses. Está habituado a comer de tudo. “Não quer almoçar comigo?”, convida.O proprietário do restaurante, Xiao Junzhanq, 34 anos, tem feito de tudo para reconquistar a clientela depois do choque da inspecção da ASAE que afastou a comunidade portuguesa do restaurante oriental há sete anos em Samora Correia.“Até digo se quiser pode entrar na cozinha”, descreve o proprietário. Mas à jornalista acaba por recusar a entrada na copa. Xiao está sozinha no estabelecimento com o cozinheiro. É patrão e empregado de mesa. O negócio vive dias complicados e o empresário põe a hipótese mudar de ramo. E fechar portas. Seguindo o mesmo caminho do restaurante abandonado à entrada de Porto Alto. Ou do restaurante do Vila Franca Centro que já pôs fim ao negócio.Maria Rosa, a empresária do restaurante chinês do Forte da Casa, uma oriental com nome aportuguesado para facilitar a vida aos clientes, admite que a inspecção abalou o negócio, mas os clientes resistentes ainda vão aguentando o negócio. “Antigamente tínhamos sala cheia. Hoje temos um pouco menos”, garante optimista.A proprietária assegura que o estabelecimento é visitado por inspectores com regularidade, mas por via das dúvidas a copa é local interdito a jornalistas. Tal como o nome original e o rosto para a fotografia.Ana Santiago
Restaurantes chineses às moscas

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...