uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

PSD considera prioritária a manutenção dos sete municípios que lidera na região

Eleições autárquicas do próximo ano ainda têm muita coisa por definir

O presidente da distrital do PSD joga à defesa quanto às eleições autárquicas do próximo ano. No dia em que se desenrolou em Torres Novas a Convenção Distrital de Autarcas Social-Democratas, Vasco Cunha reconhece que ainda falta definir muita coisa. Como as recandidaturas de Moita Flores em Santarém, ou de David Catarino em Ourém.

Edição de 28.02.2008 | Entrevista
Manter as sete câmaras municipais no distrito de Santarém já será um bom resultado para o PSD nas próximas autárquicas?Ainda não chegou a altura de definir quais são os objectivos que temos. Há um conjunto de circunstâncias que estão a decorrer, designadamente a mexida na lei das autarquias locais. É evidente que é prioritária a manutenção dos sete municípios, mas não é ainda o tempo nem a oportunidade para estar dizer o que queremos fazer. Neste momento trata-se de fazer o balanço daquilo que está feito e daquilo com que nos confrontamos para o futuro. Depois, daqui a alguns meses abriremos o capítulo autárquico.Mas já há processos de escolha de candidatos em curso.Há um percurso natural que as concelhias começam a fazer, partilhado com a distrital. É um trabalho normal. É evidente que em municípios com uma escala grande esse trabalho começa a ser feito mais cedo. Em Abrantes foi dado oficialmente o pontapé de saída com o anúncio das recandidaturas de presidentes de junta de freguesia. É um exemplo de um município grande onde o trabalho autárquico está a ser feito pela concelhia. Admito que noutros casos o trabalho não esteja tão avançado.A saída de António Paiva em Tomar e o já anunciado abandono no final de mandato de David Catarino em Ourém constituem preocupações adicionais?A saída de António Paiva está definitivamente confirmada. Aliás renunciou ao mandato. A eventualidade de David Catarino sair não passa disso.Ele já disse que não se recandidatava.Hei-de ter uma conversa sobre esse assunto com ele, mas penso que não será esse o principal tema para nos sentarmos à mesa e discutir. Estamos a meio deste mandato e interessa sobretudo que o PSD continue a fazer um bom desempenho em Ourém.Corvelo de Sousa, que substituiu António Paiva, é uma escolha natural para liderar a lista do PSD em Tomar?Corvelo de Sousa é o segundo da lista na Câmara Municipal de Tomar. Honra-nos que um cidadão de Tomar com as características dele tenha podido continuar este projecto que António Paiva protagonizou e que irá até ao fim do mandato. Caberá também aqui à concelhia abrir esse dossier e apresentar-nos quais são as suas prioridades relativamente às próximas eleições autárquicas.Moita Flores tem mantido o tabu quanto a uma eventual recandidatura à Câmara de Santarém.Também em Santarém o mandato está a meio e não é uma situação que esteja aberta. É evidente que nos daria todo o gosto que a Câmara de Santarém continuasse a ser liderada por Moita Flores. Quando chegar a altura desse processo ser desencadeado esperaremos pelos primeiros contactos que a concelhia fará com o dr. Moita Flores, que como se sabe é independente e tem um conjunto de cidadãos independentes que o apoiaram nessa caminhada.A conquista da Câmara de Rio Maior tem sido apontada como um dos objectivos declarados do PSD nas próximas autárquicas.Não nos interessa conquistar municípios só pela aritmética. Aquilo que queremos é apresentar projectos às populações que tenham qualidade e sejam reconhecidos pelos cidadãos. Nesse sentido, se Rio Maior, assim como qualquer outro município do distrito, mudar de cor nas próximas eleições, isso deixar-nos-á agradados, pois será um reconhecimento das populações ao projecto que apresentamos.Manterão coligações em concelhos onde habitualmente têm menos força política?As coligações que temos no distrito não resultam essencialmente desse critério. Resultam também aí do entendimento que as concelhias têm com as estruturas dos outros partidos, designadamente com o CDS, com quem temos coligações em Benavente e na Chamusca. Se as concelhias chegarem à conclusão que há entendimentos para avançar para coligações, não creio que será a comissão política distrital a objectar . Mas também é preciso saber quais são as orientações nacionais, que ainda não há.O sul do distrito continua a ser um território de difícil implantação para o PSD. Têm isso em consideração neste processo?Temos consciência de que as duas freguesias mais a sul que têm autarcas do PSD a liderá-las são no concelho de Salvaterra de Magos. Há que fazer um trabalho em Benavente e em Coruche que seja mais qualificado e mais motivador, para que as populações no futuro reconheçam também as nossas candidaturas. A distrital tem feito um esforço para dar visibilidade ao trabalho que o PSD está a fazer no sul, procurando que as candidaturas nas próximas autárquicas possam fortalecer a nossa posição.Vasco Cunha está disponível para voltar a encabeçar uma lista nas próximas autárquicas?O dossier não está ainda aberto, portanto não posso pôr de parte uma candidatura a uma câmara municipal. Mas nas circunstâncias em que me encontro, tendo de coordenar 21 eleições autárquicas no distrito, é um pouco difícil assumir uma candidatura neste momento.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...