uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Uma mijinha de Deus

Edição de 28.02.2008 | Opinião
O Inverno é a estação do meu descontentamento. Não é por não gostar desta estação do ano. É porque esta é a pior época do ano para os pobres, os desprotegidos, os sem abrigo, os que têm casa mas não tem uma casa resistente à chuva e ao frio.Sempre que chove torrencialmente, ou o vento se faz ouvir com mais força, o meu coração pula e, por momentos, fico angustiado. Por mais que a vida me sorria e o telhado da minha casa de hoje não tenha beiras, e os algerozes estejam limpos, e as janelas e as portas não deixem entrar a água da chuva, e o vento chore sempre baixinho, nem sempre foi assim. E enquanto não foi assim foi tempo suficiente para eu nunca mais esquecer a angústia de estar deitado e ter que acudir às inundações, a altas horas da noite, com baldes nos quartos, na sala e na cozinha. E de ano para ano ver apodrecer as janelas da casa, o soalho, o tecto, as paredes ficarem mais húmidas e com caliça, e saber que a desgraça maior não era a falta de conforto físico e espiritual mas, muito pior que isso, o inevitável confronto, mais tarde ou mais cedo, com os orçamentos dos pedreiros, dos carpinteiros e dos pintores.Quando chove muito ou o vento sopra feito bruto, volto sempre à minha infância e à casa de telha vã dos meus avós, onde adormeci muitas noites de Inverno a ouvir a água da chuva a correr nas telhas de canudo, enquanto tapava a cabeça com as mantas para me defender dos salpicos da água, que só sabe como são fantásticos quem, em criança, dormiu numa casa de telha vã (como, aliás, ainda hoje dorme quem também me aqueceu os pés muitas vezes nesses anos da infância). Há duas semanas, logo que começaram a “chover” notícias sobre inundações, imaginei que toda a redacção de O MIRANTE da área do Vale do Tejo, reforçada com o dobro dos jornalistas, estava a filmar e a gravar o drama de quem com uma mijinha de Deus tem o leito de um rio a entrar-lhe pela porta adentro. Apesar de termos cumprido a nossa missão, faltou justificar desta vez que somos, e queremos continuar a ser, verdadeiros jornalistas de proximidade. Meia culpa, meia culpa. JAE

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...