uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Resitejo lança novo concurso para construção de central de compostagem

Concurso anterior foi anulado devido à baixa comparticipação de fundos comunitários
Edição de 30.04.2008 | Economia
A Resitejo – Associação de Gestão e Tratamento dos Lixos do Médio Tejo abriu novo concurso para a concepção e construção da central de valorização orgânica, depois de ter anulado um concurso anterior. O equipamento a construir inclui a recepção, triagem, separação de materiais recicláveis, digestão anaeróbica dos lixos orgânicos e estabilização dos mesmos. O prazo para a construção da obra é de 570 dias a partir da data da consignação e a central deverá ter uma capacidade para tratar 20 mil toneladas de resíduos por ano. Segundo o anúncio do concurso, a adjudicação terá como base principal a valia técnica dos concorrentes que nos critérios de avaliação vale 70 por cento. Entre os aspectos a analisar estão também a qualidade técnica e fiabilidade da solução proposta, a gestão de águas e efluentes, o programa de exploração e manutenção, bem como a valia financeira e o menor preço apresentado, entre outros itens. Este concurso surge depois dos municípios que constituem a Resitejo terem decidido no início deste ano anular o concurso para construção da central de compostagem, prevista para a zona do aterro da Carregueira, concelho da Chamusca. Este concurso tinha sido lançado em Julho de 2005 e chegou a ser seleccionado o consórcio Somague/Aquino & Rodrigues/ROS ROCA que se tinha classificado em primeiro lugar pela avaliação feita pela comissão de análise. Mas no decurso da fase de audiência prévia surgiu uma reclamação do consórcio Lena Construções/Seth e a obra nunca chegou a ser entregue. Os municípios acabaram por optar pela anulação do concurso apontando como principal razão o facto de estar prevista uma baixa comparticipação para a obra através do Fundo de Coesão, que era de 31 por cento. O que obrigava a um grande esforço financeiro das câmaras municipais que constituem a Resitejo e a um aumento considerável das tarifas que estas pagam à associação para o tratamento dos lixos. Com este novo concurso a associação pode ir buscar um financiamento comunitário até 75 por cento, no âmbito do QREN – Quadro de Referência Estratégica Nacional. Integram a Resitejo os municípios de Alcanena, Chamusca, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Golegã, Santarém, Tomar, Torres Novas e Vila Nova da Barquinha.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...