uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
“Pai” da REN considera projecto da Nova Vila Franca de Xira uma “monstruosidade”

“Pai” da REN considera projecto da Nova Vila Franca de Xira uma “monstruosidade”

Gonçalo Ribeiro Telles é um crítico do projecto da zona ribeirinha da cidade

O arquitecto paisagista Gonçalo Ribeiro Telles não poupou palavras na sua avaliação do projecto para a Nova Vila Franca, em debate promovido pelo movimento Xiradania.

Edição de 30.04.2008 | Sociedade
“Não é possível que este projecto tenha sido aprovado por entidades competentes. Não acredito que os responsáveis técnicos e políticos o conheçam”. Foi desta forma que o arquitecto paisagista Gonçalo Ribeiro Telles classificou o projecto da Nova Vila Franca num debate promovido pelo movimento Xiradania na quarta-feira, 23 de Abril, no Clube Vilafranquense. O projecto de loteamento está previsto para a zona ribeirinha da cidade a norte da ponte Marechal Carmona e é designado de UD4. Ribeiro Telles, que no início da década de oitenta foi ministro do Estado e da Qualidade de Vida e criou os conceitos de Reserva Agrícola Nacional (RAN) e Reserva Ecológica Nacional (REN), mostrou-se “absolutamente espantado com o projecto” que definiu como “uma monstruosidade”. “Este projecto é aquilo que não se deve fazer, nem a nível de localização, nem de dimensão”, defendeu.O arquitecto paisagista chamou a atenção para a construção num leito de cheia protegido pela REN. “Se o PDM permite esta construção então estamos perante uma cambada de ignorantes”, advertiu. Gonçalo Ribeiro Telles não acredita que o país tenha poder económico para construir tudo o que está previsto no projecto – quase dois mil fogos, um parque urbano e um complexo desportivo, numa área de intervenção de 57 hectares – e suspeita que a operação tenha como principal objectivo a transformação do preço do solo, de rural para urbano, situação que definiu como “a grande burla” e um “embuste”.A socióloga Luísa Schmidt, também presente no debate, considerou o projecto para a Nova Vila Franca “inarrável do ponto de vista ambiental e gravíssimo do ponto de vista social”. Para a socióloga, que na sua infância passava férias na quinta de um avô em São João dos Montes, “a própria cidade de Vila Franca vai tornar-se numa espécie de subúrbio desta nova cidade” e o caminho devia fazer-se reabilitando as casas abandonadas em vez de aumentar as zonas urbanas. “É inacreditável que seja o projecto Polis a pagar uma obra como esta”, refere.Ao arquitecto Rui Perdigão, membro do Xiradania, coube a apresentação inicial do loteamento aprovado pela Câmara Municipal de Vila Franca de Xira para a área designada de UD4, a Nova Vila Franca, que integrou num plano de “crescimento urbano irregular sem continuidade, com estradas que não vão dar a lado nenhum”. “O que o progresso trouxe foi um conjunto urbano muito descaracterizado, um caos urbanístico gerado no concelho por falta de planeamento”, defende. O arquitecto argumenta que o novo loteamento é “uma ilha isolada de tudo o resto” que significa para Vila Franca um acréscimo de 58 por cento do trânsito em horas de ponta e fomenta a indespensabilidade do uso do automóvel na cidade. Rui Perdigão queixa-se ainda que “os cidadãos vilafranquenses não tiveram oportunidade de participar na construção da sua cidade do futuro”.
“Pai” da REN considera projecto da Nova Vila Franca de Xira uma “monstruosidade”

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...