uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Piratas anti-touradas atacam site dos forcados do Aposento da Chamusca

Piratas anti-touradas atacam site dos forcados do Aposento da Chamusca

Desconhecidos colocaram imagens e textos contra a festa brava na página da Internet
Edição de 08.05.2008 | Sociedade
O site do Grupo de Forcados do Aposento da Chamusca foi “atacado” por piratas informáticos que alteraram a página de entrada colocando uma fotografia de três homens abraçados em tronco nu e trajando calças de cabedal. Foi também colocado um texto em inglês anti-tourada com o título “Torture” (tortura) e duas imagens de um homem com farpas nas costas a escorrerem sangue. Manuel Macedo, o forcado responsável pela actualização da página do grupo na Internet, considera que este acto de “vandalismo” foi alegadamente protagonizado por defensores dos animais, mas não apresentou queixa às autoridades por considerar que é difícil chegar-se aos autores. A página esteve todo o fim-de-semana com o texto onde se diz que os toureiros começam cedo nestas andanças de torturar os animais e que muitas crianças que se iniciam nas escolas de toureio deixam a escola cedo para se dedicarem à tauromaquia e provêm de famílias com baixa escolaridade. Acrescenta ainda que os toureiros forçam também os cavalos a treinos árduos para que estes se tornem obedientes e gentis. Na segunda-feira de manhã já tinham sido retiradas as imagens e o texto. Manuel Macedo (Mesquitella) diz que o grupo recebeu vários e-mails de pessoas a criticarem o que se tinha passado e a darem palavras de incentivo aos forcados. No texto de abertura do site (http://aposentodachamusca.jimdo.com) Manuel Macedo explica aos cibernautas que o site foi “atacado por piratas anti-touradas”, acrescentando que espera que “continuem a desfrutar do site e de todo o conteúdo (…) porque não será um ataque pelas costas e de mau carácter que nos fará baixar os braços na divulgação deste nosso querido grupo”. Já no final do texto assinado por Manuel Macedo a linguagem é mais agressiva dizendo que “essa gente” que alterou o conteúdo do sítio na Internet “não merece respeito nem a consideração de ninguém”. E apelida os desconhecidos autores de “escumalha”, “drogados” e “infelizes”, realçando que estes “em nada ajudam a manter a boa imagem do povo português e dos seus belos costumes”.
Piratas anti-touradas atacam site dos forcados do Aposento da Chamusca

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...