uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Cânticos religiosos da Andaluzia dão outro colorido à festa

Cânticos religiosos da Andaluzia dão outro colorido à festa

Missa Rociera inaugura o Colete Encarnado em Vila Franca de Xira

Andaluzia e Ribatejo têm em comum uma tradição cultural ligada ao campo e à festa brava. Não é de estranhar que na Igreja de Vila Franca de Xira, por altura do Colete Encarnado, se cantem, em castelhano, louvores à virgem del Rocio.

Edição de 03.07.2008 | Colete Encarnado
“A missa rociera é uma forma diferente de assinalar o início dos três dias de festa do Colete Encarnado. É uma missa colorida e ritmada com um contexto cultural e religioso muito específico. Mas do ponto de vista litúrgico é muito semelhante à celebração que fazemos em Portugal”. A opinião é de David Silva, membro da comunidade paroquial da freguesia de Vila Franca de Xira que aceitou com muito agrado a realização da primeira missa rociera na paróquia, em 2003. Este ano a missa realiza-se sexta-feira às 20.30 na Igreja Matriz e o Coro “Aire del Camino”, da Andaluzia, (Espanha) será o responsável pelas músicas rocieras.A missa rociera é uma cerimónia religiosa tradicional da zona da Andaluzia, na Estremadura espanhola e que inclui cânticos dedicados à Virgem del Rocio. Para David Silva, uma missa com aquelas características justifica-se em Vila Franca de Xira dadas as semelhanças existentes entre a Andaluzia e a cidade portuguesa. “As tradições são semelhantes. Estão ambas ligadas ao campo e ao enaltecimento dos trabalhadores rurais - no caso de Vila Franca, os campinos - e à tradição muito vincada da festa brava”, explica.O professor de português e latim que é, actualmente, o responsável pelo arquivo histórico da junta de freguesia da cidade ribeirinha não nega que a missa rociera pode ser encarada por muitos populares apenas como mais um espectáculo do que uma missa no verdadeiro sentido da palavra. Nada problemático do seu ponto de vista.“Muitas pessoas encontram-se com Deus a partir de situações muito simples. Um indivíduo pode começar por assistir a uma missa colorida e terminar a participar numa celebração. Os cânticos quer sejam rocieros ou não são essencialmente acessórios numa missa enriquecendo-a. Se a missa rociera tornar a eucaristia mais dinâmica e tocar as pessoas os principais objectivos foram cumpridos”, afirma.Quanto ao Colete Encarnado, David Silva acredita que os contextos, religioso e popular, desta festa tradicional estão interligados e não existe supremacia de nenhuma das partes. “Vila Franca é uma cidade muito castiça e peculiar sobretudo nesta altura do ano porque há uma mistura natural entre os elementos religiosos e os elementos da tradição local. E é isso que a torna tão especial”, garante.
Cânticos religiosos da Andaluzia dão outro colorido à festa

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...