uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Horácio Oliveira

Horácio Oliveira

44 anos, administrador

Abandonou a escola muito cedo e está arrependido. Mas tinha pressa de ser independente e a independência tem um preço. Não evoluiu em termos académicos mas saiu-se bem em termos profissionais. É administrador da Hoviverde, em Vila Franca de Xira, e faz parte da administração da Regmag, uma empresa de gestão de resíduos.

Edição de 03.07.2008 | Três Dimensões
Comecei a trabalhar com 12 anos. Saí da fábrica da cerveja para ir para a Junta de Freguesia de Vila Franca de Xira. Foi a minha pequena revolução. Não tinha necessidade. O meu pai era comerciante. Tínhamos uma vida normal. Mas sempre fui muito independente. Gostava de gastar o dinheiro que ganhava. Comprei uma mota aos 14 anos. A pronto-pagamento. Já lá vão trinta anos. Já morava em Cachoeiras. Mas sou de Vila Franca de Xira. Da Barroca. Da Rua de Santo António.Deixei a escola cedo. Nesse aspecto a minha ambição foi demasiada. Fiz a quarta classe. Hoje o que mais tenho é a escola da vida. Já pensei várias vezes em voltar, mas começa a faltar o tempo. Não é só a Hoviverde, existem outras empresas. Faço parte da administração da Regmag, uma empresa de gestão de resíduos. Começámos a fazer a recolha dos óleos alimentares nos restaurantes. É o futuro. Hoje qualquer restaurante tem que ter uma guia em como entregou o óleo. E integro a administração do Pólo do Cabo, um projecto turístico junto ao rio.Levanto-me todos os dias às sete horas. É fácil conciliar a vida profissional com a família quando a gente quer. Tenho dois filhos. Um com 16 anos, outro com 21. Já passei pela fase de estar muito pouco ao fim-de-semana com eles. Agora se não estou com eles é porque eles não estão comigo. A esposa faz parte da administração da Hoviverde. Juntamo-nos outra vez à noite normalmente sem falar de trabalho em casa. O meu jardim se calhar é o mais descurado de todos. Em casa de ferreiro espeto de pau. Às vezes dou uma colaboração. Na altura do Verão aperta o trabalho e rouba mais tempo de descanso. Nos primeiros cinco anos não me lembro de ter tido um fim-de-semana. Quanto mais férias. A Hoviverde tem 60 trabalhadores. Começámos dois.Gosto muito de andar na rua. Vou às obras praticamente todos os dias depois de passar no estaleiro. Comecei no terreno. E muitas saudades tenho eu, de lá voltar. Quando estamos na área das zonas verdes temos que gostar do que fazemos. Não é o mesmo que abrir uma mercearia. Um profissional tem que saber fazer tudo. Os espaços verdes deixaram de ser hortas para serem jardins. O país evoluiu. Um espaço verde faz parte do projecto da urbanização como faz o quarto, a sala ou a cozinha. Até aqui só tinha espaços verdes quem queria vender melhor. Hoje é uma obrigação. Plantaram-se muitas árvores em sítios onde não se devia ter plantado. Fez-se muita aberração. Andamos a arrancar espécies que não se deviam ter plantado por causa das alergias. É o caso dos choupos que deitam o algodão. Foi tudo fruto do voluntarismo a seguir ao 25 de Abril. Hoje plantamos sobreiros e castanheiras da Índia em espaços amplos. À frente do escritório temos árvores de pequenas dimensões. Para que as pessoas amanhã não se queixem que os ramos estão a entrar pelas janelas.A relva fica sempre bonita, mas temos que começar a cortar nos relvados. Os consumos de água são elevadíssimos. Não sabemos até que ponto teremos água para sustentar tudo isso. Que alternativas? A pedra, a casca de pinho, os saibros, as placas pré-fabricadas às cores. A manutenção é mais fácil. O contraste com o verde das plantas fica maravilhoso. Não temos falta de trabalho. Temos dificuldade em receber. É um problema da crise. Não sabemos quando ela vai terminar. Há 15 anos fazia jardins e as pessoas pagavam no final do trabalho. Hoje ninguém paga a trinta dias. É preciso ter capacidade para movimentar a empresa. Pagamos o IVA mensalmente. E às vezes pagamos um IVA que o Estado nos deve a nós. Antigamente havia a possibilidade de chegar ao banco e conseguir um fundo de maneio. Hoje é difícil.Ver Video em: http://www.omirante.pt/omirantetv/noticia.asp?idgrupo=2&IdEdicao=51&idSeccao=514&id=22874&Action=noticia
Horácio Oliveira

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...