uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Sociedade Filarmónica Gualdim Pais um oásis da cultura e desporto em Tomar

Sociedade Filarmónica Gualdim Pais um oásis da cultura e desporto em Tomar

Onde todos pagam para praticar a modalidade de que mais gostam

Do alto dos seus provectos 131 anos, a Sociedade Filarmónica Gualdim Pais, de Tomar, continua o seu contínuo caminho de educar e formar crianças, músicos e atletas. Agora também com um forte empenho na área de competição. São mais de duas mil e quinhentas pessoas a praticar desporto e cultura no pequeno mundo da popular colectividade tomarense, onde toda a gente paga para praticar desporto ou cultura.

Edição de 10.07.2008 | Desporto
Fundada no dia 28 de Março de 1877, a Sociedade Filarmónica Gualdim Pais, de Tomar, orgulha-se do seu percurso que, apesar de algumas crises, nunca foi interrompido. Actualmente conta com cerca de três mil sócios e movimenta mais de duas mil e quinhentas pessoas, divididas pelas áreas culturais, educativas e desportiva.“É um pequeno mundo, que às vezes se torna muito grande para o nosso concelho e para as nossas capacidades”, referiu em conversa com O MIRANTE, o presidente da direcção da colectividade, Bruno Graça.Graças ao empenho de todas as direcções que têm gerido os destinos da Gualdim Pais, o crescimento tem sido constante. A actual sede foi inaugurada em 1998, depois disso sofreu alterações. Foi ampliada para poder dar resposta à crescente exigência de espaços para as suas actividades. E, segundo Bruno Graça essas actividades são muitas e com muitos participantes. Na área cultural funcionam a Banda Filarmónica, uma escola vocacional de música e uma Escola Vocacional de Dança com cursos do Ensino Básico e Secundário. Mais recentemente criou a Orquestra Nacional de Sopros dos Templários e o coro que de imediato recolheram as melhores referências da crítica da especialidade a nível nacional. Tem ainda em funcionamento um Centro de Actividades de Tempos Livres direccionado para crianças que frequentam o 1° Ciclo do Ensino Básico. No campo desportivo funcionam as modalidades de ginástica, judo, hóquei em patins, badminton e natação. Para desenvolver ainda mais as suas actividades a Sociedade Filarmónica Gualdim Pais estabeleceu, através da sua Escola Vocacional de Música, 37 protocolos com Escolas do 1° Ciclo do Ensino Básico do Concelho de Tomar assumindo responsabilidades pedagógicas no campo do ensino regular da música com mais de mil e quinhentas crianças. Estas parcerias estão a ser alargadas às expressões das áreas da motricidade e já hoje cerca de mil crianças são envolvidas em actividades de patinagem, badminton, ginástica e dança. “Temos ainda que acrescentar os setenta e cinco funcionários que aqui trabalham diariamente. É um esforço enorme para gerir todas as situações que se nos deparam, mas temos sempre um grupo forte e unido de dirigentes que não regateiam esforços para que tudo gire sobre rodas”, garante Bruno Graça, que é presidente desde 1986, e já tinha sido presidente antes da revolução de 25 de Abril.Bruno Graça referiu que esta dedicação é partilhada com os companheiros que o têm acompanhado nas direcções sempre a trabalhar de forma amadora sem qualquer remuneração. A Gualdim Pais foi sempre uma colectividade de grande expressão popular, sempre muito ligada ao operariado, principalmente aos operários da Companhia de Fiação de Tomar. “É por isso que se integra muito no que eu sinto em termos de actividade associativa e sentido cívico”, garantiu o presidente.A longevidade da Sociedade Filarmónica Gualdim Pais é um marco forte da sua história, mas o facto de não ficar a dormir à sombra da árvore, ajuda-a a modernizar-se continuamente, sem grandes embaraços ou sobressaltos. “Temos sempre os pés bem assentes no chão, sabemos que para continuar a desenvolver os nossos projectos, todos têm que ajudar, é por isso que é importante que toda a gente que aqui desenvolve uma actividade pague uma mensalidade, e não abrimos excepções para ninguém, da iniciação à competição, todos pagam”, referiu Bruno Graça.“Aqui todos, do maior ao mais pequeno, joga com amor à camisola”. Os estatutos que têm data de 1901, impunham que a sociedade tivesse pelo menos uma banda, uma biblioteca e uma escola do 1º ciclo. “Temos tudo isso e muito mais, por isso contamos com o estatuto de utilidade pública e recebemos várias condecorações por isso”, disse Bruno Graça.A construção e ampliação de instalações são agora a prioridade da direcção da Sociedade Filarmónica Gualdim Pais. “Temos em construção um jardim-de-infância e uma creche, que esperamos estejam concluídas e a funcionar antes do final deste ano”, vincou o presidente que acrescentou “não sei bem o que isto é, se um sinal da nossa vitalidade ou uma grande maluquice”.Mas o crescimento da colectividade ao nível de infraestruturas não fica por aqui, já há projecto para a construção de um pavilhão gimnodesportivo e mudança do actual para um auditório. “São obras de grande envergadura, que envolvem sempre verbas avultadas, obrigam a uma grande ginástica, que vamos conseguindo levar a bom porto. A não ser verbas destas obras, não devemos mais nada a ninguém”, disse com orgulho Bruno Graça.O presidente da Gualdim Pais fez questão de salientar a forma como os praticantes e os sócios se empenham para que a colectividade seja cada vez maior. “O exemplo foi as festas populares levadas a efeito pelos coralistas, onde arranjaram verbas para a remodelação do espaço para o coro. Existe uma mística muito forte nesta colectividade, mística que foi sempre uma bandeira da Sociedade Filarmónica Gualdim Pais”.
Sociedade Filarmónica Gualdim Pais um oásis da cultura e desporto em Tomar

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...