uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Refrescante Serafim das Neves

Refrescante Serafim das Neves

Edição de 31.07.2008 | E-mails do outro mundo
Gostei da foto do anjo negro do teu último e-mail. Faltou-lhe um cigarro nos lábios carmim e um frade pançudo de olhar lúbrico, em cima de um oratório. Reminiscências da minha formação católica, apostólica e romana. Lembro-me de escoltar a minha tia Lurdes nas excursões dominicais para ouvir o padre novo. Quando era o padre velho a rezar a missa ela dava folga à sua religiosidade. Durante a celebração, na altura em que o vigoroso pároco simulava um êxtase, assentando os olhos no decote da ardente devota, ao mesmo tempo que emborcava o cálice sagrado repleto de Porto Ferreirinha especial para missas, ela fraquejava das pernas e agarrava-se a mim com tal fervor que eu até fervia. Fervia até à asfixia. E se ela cheirava bem!! A flores exóticas. À madeira envernizada dos crucifixos. A Chanel nº 2. Abençoados sejam todos os marmanjos que, como eu, tiveram a felicidade de sentir no nariz, nas bochechas e nas orelhas o roçagar das rendas de vestidos escuros e vaporosos e a comichão dos murmúrios em latim. Amen!Desculpa o parágrafo místico. Não era destas devoções que te queria falar mas com a história da beata que provocou o incêndio lá para os lados da Azambuja, veio-me um cheiro a incenso das brumas da memória. Mas já recuperei e digo-te que concordo com a tua teoria. À falta de hereges para o churrasco, são os pinheirais que pagam o radicalismo das beatas. Resta-me apenas saber se, no caso do fogo posto de Azambuja, a beata estava a fumar ou se estava a ser fumada. Espero resposta dos investigadores.Os presidentes de câmara dos concelhos da Lezíria do Tejo continuam a divertir-se com as suas tropelias. Agora os 7 magníficos da Comunidade Urbana da Lezíria do Tejo (CULT) que ganharam umas massitas dos fundos comunitários para águas e saneamento, fazem momices ao Cartaxo e a Santarém. Eu gosto muito deste aspecto lúdico da gestão autárquica. Nhó, nhá, nhó, nhá-nhã. Ganhámos!! Dizem eles em conferência de imprensa. E os outros respondem na mesma moeda. Fró-fru-frã nhá-nhã, não doeu nada!! Ainda bem que por estes lados não há políticos cinzentões. Assim, sim! Até dá gosto viver em democracia. E para todos aqueles que esperam por águas, esgotos e estações de tratamento há sempre a possibilidade de contarem anedotas sobre o cheirete que têm que suportar. Imagino a risota que vai nas tabernas de algumas aldeias quando o vento sopra de feição. “Foi o Roscas! Fujam! Este gajo é pior que a Bomba Antónia quando tem a panela de escape avariada!!”. E logo algum mais erudito e politizado: “Embrulha e manda para a CULT!!”. Eh!Eh!Eh!Em Foros de Salvaterra anda uma azáfama de voluntários a pôr de pé uma casa para uma família a quem foram retirados os filhos por falta de condições de habitabilidade. Eu sou pela solidariedade e essas coisas todas. Mas também sou pelas soluções práticas e rápidas. Então não bastava que os pais dos miúdos se declarassem ciganos para que tudo se resolvesse a contento?!! Vê lá tu se a Comissão de Protecção de Crianças e Jovens tira alguma criança à comunidade cigana por falta de condições de habitação?! É o tiras!!! Eu sei que vou levar na cabeça por causa desta terminologia troglodita, mas o que querem?! Não me consigo habituar a dizer nómadas em vez de ciganos. Não me dá jeito…sei lá. O Vasco Graça Moura também não se consegue habituar ao português do acordo ortográfico e não é por isso que deixa de ser recebido pelo Presidente da República, não é??!! Um abraço em DVD com legendas em tailandês do Manuel Serra d’Aire
Refrescante Serafim das Neves

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...