uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Milhões aterram na região com a ida do aeroporto para Alcochete

Milhões aterram na região com a ida do aeroporto para Alcochete

Santarém, Cartaxo, Azambuja e Rio Maior compensados pelo Governo com investimentos

O abandono da opção Ota para localização do novo aeroporto de Lisboa acaba por não ser um mau negócio para alguns municípios da margem norte da Lezíria do Tejo.

Edição de 31.07.2008 | Política
O presidente da Câmara de Santarém convocou na sexta-feira os jornalistas para anunciar uma série de investimentos a realizar pelo Governo no concelho e na região nos próximos anos. A negociação das compensações entre 16 municípios do Oeste e Ribatejo e o Ministério das Obras Públicas vai permitir desbloquear alguns projectos há muito previstos para o concelho e concretizar investimentos estruturantes. É o caso da ligação ferroviária de Santarém às Caldas da Rainha, com passagem por Rio Maior, onde vai ser criada uma estação do TGV e um terminal de carga e descarga que vai servir as pedreiras da Serra d’Aire.Relativamente ao concelho de Santarém, estão previstos projectos como a construção de novos centros de saúde em Pernes e em Santarém, a beneficiação da Igreja de Santa Clara e a requalificação urbana do centro histórico da cidade, que deverá contar com 10 milhões de euros. Um empreendimento ligado à rede nacional de cuidados continuados integrados está previsto para a freguesia de Achete. Estão ainda previstas intervenções de modernização do parque escolar e 78 milhões para requalificação da Ribeira de Santarém e Alfange, com obras calendarizadas entre 2010 e 2017.Um pacote de obras que, se tudo correr como o previsto, deve ser concretizado até 2017, mas que não é suficiente para motivar para já o anúncio da recandidatura de Moita Flores à presidência da Câmara de Santarém. “A seu tempo isso se saberá. Deixem-me agora partilhar o gozo que me dá ter estado lá no momento certo”, afirmou o autarca, que convocou as chefias do municípios para assistirem ao anúncio das boas-novas.Moita Flores afirmou que “esta é seguramente a maior das memórias que levará quando sair da Câmara de Santarém” e declarou-se convicto de que “jamais chegará tanto investimento de uma vez só para Santarém como vai acontecer a partir do segundo semestre deste ano”. Mesmo assim, referiu que algumas propostas do município escalabitano ficaram pelo caminho.Afirmou ainda a convicção de que este pacote de investimentos, que se encontra praticamente fechado e que deverá ser ratificado em Conselho de Ministros a realizar em Agosto, será mesmo para cumprir. Moita Flores deixou ainda elogios ao ministro das Obras Públicas, Mário Lino, e aos secretários de Estado envolvidos nas negociações: “Foram os grandes impulsionadores e intérpretes desta caminhada que está a chegar ao fim”. Ao todo são mais de cem projectos para os 16 municípios envolvidos, entre os quais os de Azambuja, Cartaxo, Rio Maior e Santarém, que envolvem 2.100 milhões de euros de investimentos dos quais 1.400 milhões da iniciativa do Governo e 660 milhões de iniciativa municipal. Os investimentos serão efectuados com recurso a fontes de financiamento como fundos comunitários e investimento privado.Este plano surge devido às expectativas de desenvolvimento que existiam e que foram criadas pela hipótese do aeroporto se localizar na Ota, concelho de Alenquer. “O Governo considerou que era justo dar um apoio especial a esta região para encontrarem um novo modelo de desenvolvimento sem ter esta infra-estrutura, não houve aqui um comércio”, disse nesse mesmo dia o ministro das Obras, Públicas Mário Lino, rejeitando a expressão “compensações”.
Milhões aterram na região com a ida do aeroporto para Alcochete

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...